sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Pokémon Go - Mais uma ferramenta de alienação do ser humano

Por Ana Chagas


     Não são poucos os vídeos que praticamente viralizaram na internet após o lançamento do Pokémon Go no Brasil mostrando acidentes de jovens e adolescentes, e até mesmo adultos, com os olhos grudados na tela do celular, e muitos desses vídeos sendo compartilhados nas redes sociais apenas como algo divertido de se ver. No entanto, estes problemas trazidos pela displicência das pessoas que andam pelas ruas com os olhos fixados na telinha, conectados, seja no Whatsapp, Facebook, Instagram, Twitter,  ou em um jogo como este, ao qual nos referimos não é algo para gerar risos, e sim para lamentarmos... E esse problema não vem de hoje, mas já começou desde que a internet passou a ser acessada a partir de celulares, e vem piorando cada dia mais.

     Falando mais especificamente sobre o jogo, há quem não ache nada demais jogá-lo. Mas a questão que trago aqui não se restringe apenas a este jogo, mas a todo tipo de distração que venha a nos dominar e pôr em risco a nossa vida. Não estou dizendo que trata-se de um jogo do demônio, como muitos estão afirmando, mas trago este alerta baseado nos prejuízos que este e muitos outros jogos e aplicativos têm trazido para as pessoas, que se esquecem até mesmo do valor de sua própria vida quando se expõem ao risco de morte por aí. As pessoas tornam-se tão dependentes do jogo, que vão até aos locais aonde o jogo "manda". Sem falar que muitos ladrões, aproveitando-se disso, têm armado emboscadas para realizar assaltos aos que vão a lugares divulgados por eles como, supostamente, "infestados" de pokémons.

     O que será desta e das futuras gerações? Serão pessoas desejosas em empenhar-se em crescer profissionalmente, e assim realizar-se e prover suas famílias? Serão bons leitores que, em consequência de suas boas leituras saberão interagir e intervir frente aos problemas reais da sociedade em que estam inseridos? Ou passarão pela vida sendo apenas zumbis humanos correndo atrás do ouro no final do arco íris virtual?

     Gosto de utilizar a internet, exploro ao máximo as ferramentas que estão ao meu dispor para o bem. Não sou alienada, gosto de lazer e sei que é necessário na vida do ser humano, mas ainda sou do tempo em que lazer só tem valor se for compartilhado com as pessoas reais, a quem amamos; as quais hoje podem estar comigo, e daqui a pouco não mais. Não sabemos até quando estarão conosco, ou até quando nós estaremos com elas. A tecnologia é boa, mas há que se usar de forma equilibrada e com bom senso. Há que se selecionar o que de fato serve e acrescenta algo positivo para a nossa vida, sem nos afastar da realidade, e das verdadeiras amizades, que estão morrendo, bem debaixo do nosso nariz, aqui fora, no mundo real. 

     Não sejamos, e nem deixemos que os nossos filhos se tornem pessoas inúteis e alienadas da realidade!  Se o uso exagerado de TV e computador por longos períodos, roubando de nós um tempo que poderia estar sendo investido para o nosso crescimento espiritual, social e intelectual já representava um grande problema, imaginemos quando por causa deste ou de quaisquer outros jogos, aplicativos, ou redes sociais, põe em risco a nossa integridade física! Caminhadas fazem um bem tremendo à nossa saúde, é verdade, mas apenas se estivermos atentos por onde estamos andando, onde estamos pisando; e não é o que acontece quando usamos celular enquanto andamos pela rua.
   
     Quando o uso indiscriminado destas ferramentas tornam-se algo incontrolável e nos domina, está caracterizado um vício, e enquanto nos entregamos a um vício deste porte estamos desperdiçando o tempo e perdendo o interesse pelo que realmente importa para o nosso crescimento como pessoa! Há tanta vida pra ser vivida aqui fora! O tempo corre, e, como diz o salmista: "Quanto ao homem, os seus dias são como a erva, como a flor do campo assim floresce. Passando por ela o vento, logo se vai, e o seu lugar não será mais conhecido." (Salmos 103:15,16). Sendo assim, façamos valer os anos de vida que Deus nos dá sobre a terra! Vivamos de fato! Amemos de fato! Estejamos de fato presentes (e não apenas de corpo) quando estivermos com a nossa família à mesa para as refeições, ou na sala quando todos ao nosso redor anseiam pelo aconchego da nossa voz e do nosso abraço!  Jamais priorizemos o prazer de conquistas virtuais quando sofremos perdas reais aqui fora, a partir do momento que negligencimos as pessoas e nosso relacionamento com elas!

      E o que dizer dos cristãos que também estão viajando nessa "onda" de viver praticamente o dia inteiro conectado em jogos e redes sociais, desde o acordar, ao alimentar-se, ao andar pelas ruas, etc.?       A vida atual tem um ritmo frenético, e todos dizem a uma que não têm tempo para nada... Não têm tempo para ler bons livros, não têm tempo para ir à igreja cultuar coletivamente, não têm tempo para ler a Bíblia, a qual deveria ser o primeiro alimento buscado ao abrirmos os nossos olhos pela manhã (se é que estão fechando-os para dormir!), e muito menos para sair na evangelização. Muitos podem até protestar: "Mas o cristão não tem o direito de ter lazer?" Sim, claro que tem! Mas estes entretenimentos virtuais têm uma incrível capacidade de sugar das pessoas o seu tempo e sua vida real. Cuidado!

     Será que vale mesmo a pena viver na alienação de um vício virtual? Não percamos algo tão valioso por coisas tão banais e passageiras!

quarta-feira, 20 de julho de 2016

O Evangelho é puro e simples: entenda.

Por Ana Chagas

Se você procura um evangelho...
que lhe afague a cabeça ...
que não lhe confronte com a sua real escravidão no pecado...
que lhe prometa fim do sofrimento e que te garanta sucesso profissional e que ainda por cima ganhe IBOPE por causa disso...
que te dê destaque enquanto você dá grandes ofertas, e te faça gostar de fazer notória toda beneficência que fizer...
Sinto muito, amigo, este não é o Evangelho de Cristo.
Confira:
- Jesus mostrou que o seu discurso muitas vezes é duro - (João 6.57-68)
- Jesus confrontou os homens ao arrependimento - (Marcos 1.14-15)
- Jesus afirma que quem busca segui-lo enfrentará sofrimento terreno, mas Ele promete estar conosco (Lucas 9.57-58; Mateus 28.20b; Apocalipse 21.7)
- Jesus ensina a não nos gloriarmos pelo bem que fazemos a outrem (Mateus 6.1-4)


FINALIZANDO:

"Porque nós não somos, como muitos, falsificadores da palavra de Deus, antes falamos de Cristo com sinceridade, como de Deus na presença de Deus." (2 Coríntios 2:17)

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Heresias cantadas: Com muito louvor - Cassiane

Por Ana Chagas

Em muitas igrejas é comum que um grupo ou mesmo um irmão ou irmã escute um hino e logo se agrade da melodia, dos arranjos, da voz do(a) cantor(a), do estilo do(a) cantor(a), enfim, e leve-o para o altar na igreja no momento do culto.
Já falei muito sobre isto aqui no Blog, mas reafirmo: precisamos ser mais cautelosos quanto ao que trazemos ao culto solene, primeiro porque será oferecido ao Senhor, e Ele só recebe o culto que o centraliza, onde a glória que lhe é devida não é usurpada, nem pelos que ofertam o louvor, nem pelas letras das músicas que são levadas perante Ele. E, em segundo lugar, porque o povo também é instruído por meio das letras dos hinos.

Hoje iremos abordar o hino "Com muito louvor", da Cassiane. Sei que muitos já escreveram sobre as questões presentes nesta letra, mas quero deixar a minha contrinuição também, não deixando de reconhecer que isto só é possível porque o Senhor nos deixou a Sua Palavra, que é lâmpada para os nossos pés e luz para o nosso caminho, e que é o nosso alimento.

1 - DEUS REJEITA ORAÇÃO? SIM, OU NÃO?

Desde os primeiros humanos que invocaram a Deus, lá na narrativa de Gênesis, Deus aceitava toda oferta? Por quê Ele rejeitou a oferta de Caim (Gênesis 4.3-7)? E na época da Lei sacrificial, por que Ele rejeitou a oferta daqueles que levaram fogo estranho à sua presença (Levítico 10.1-3)?
Cabe ainda outra observação: foi justamente na época da Lei sacrificial que Deus reprendeu a Israel através do profeta Isaías (Isaías 1.10-18), e diz com todas as letras que não aceita orações associadas a pecado e injustiça.
Não estou dizendo que nenhum pecador pode orar. Estou concluindo logicamente, diante da exposição das Escrituras que um pecador que se acomodou e se amoldou ao pecado, e que acha que está tudo bem, e que pode continuar orando e cantando, e que Deus aceitará isto como louvor, está gravemente enganado.
Já vi uma pessoa me dizer que não estava em comunhão com outra, mas que estava muito bem, e que de forma alguma havia perdido seu chão, tudo estava no lugar. Ou seja, esta pessoa naquele momento estava com a mente cauterizada quanto ao pecado e quanto à necessidade de arrependimento e perdão, para, só então, ter sua oração e seu culto aceito, como Jesus nos ensinou no Sermão do Monte (Mateus 5.23-24).

Além disso, Deus fala diversas vezes em Sua Palavra sobre atender ou não a oração que lhe é dirigida: 

É preciso deleitar-se no Senhor, ter nEle todo o seu prazer e plenitude de satisfação: Salmo 37.4 -  "Deleita-te também no Senhor, e te concederá os desejos do teu coração."

É preciso ter comunhão, aliança com Deus:  Jeremias 11.10-14: "Tornaram às maldades de seus primeiros pais, que não quiseram ouvir as minhas palavras; e eles andaram após outros deuses para os servir; a casa de Israel e a casa de Judá quebraram a minha aliança, que tinha feito com seus pais.
Portanto assim diz o Senhor: Eis que trarei mal sobre eles, de que não poderão escapar; e clamarão a mim, mas eu não os ouvirei.
Então irão as cidades de Judá e os habitantes de Jerusalém e clamarão aos deuses a quem eles queimaram incenso; estes, porém, de nenhum modo os livrarão no tempo do seu mal.
Porque, segundo o número das tuas cidades, são os teus deuses, ó Judá! E, segundo o número das ruas de Jerusalém, levantastes altares à impudência, altares para queimardes incenso a Baal.
Tu, pois, não ores por este povo, nem levantes por ele clamor nem oração; porque não os ouvirei no tempo em que eles clamarem a mim, por causa do seu mal." e Apocalipse 3.20:  "Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo."

É preciso um coração quebrantado e humilhado perante a sua faceMateus 15.22-28: "E eis que uma mulher cananéia, que saíra daquelas cercanias, clamou, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de mim, que minha filha está miseravelmente endemoninhada.
Mas ele não lhe respondeu palavra. E os seus discípulos, chegando ao pé dele, rogaram-lhe, dizendo: Despede-a, que vem gritando atrás de nós.
E ele, respondendo, disse: Eu não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel.
Então chegou ela, e adorou-o, dizendo: Senhor, socorre-me!
Ele, porém, respondendo, disse: Não é bom pegar no pão dos filhos e deitá-lo aos cachorrinhos.
E ela disse: Sim, Senhor, mas também os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus senhores.
Então respondeu Jesus, e disse-lhe: Ó mulher, grande é a tua fé! Seja isso feito para contigo como tu desejas. E desde aquela hora a sua filha ficou sã."  e Jonas 2.2: "E orou Jonas ao SENHOR, seu Deus, das entranhas do peixe. E disse: Na minha angústia clamei ao Senhor, e ele me respondeu; do ventre do inferno gritei, e tu ouviste a minha voz."

Observe o "SE"2 Crônicas 7.14:  "E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra."

Em suma: Há orações às quais Deus rejeita.

Ainda há outros fatores que ocorrem em relação à resposta da nossa oração: 

2 Coríntios 12.8-9 - Deus pode ouvir, e não querer atender, e responde com o "NÃO", como foi o caso de Paulo; 

1 Reis 3.5-14; 1 João 14-15 - Deus responde quando o orante faz a oração que Ele (Deus) quer ouvir, a qual corresponde à Sua Soberana vontade, como ocorreu com Salomão;  

Isaías 65.24 - Deus pode ouvir antes que clamemos (pois Ele nos sonda, conhece e pesa os nossos corações) e tem urgência em executar a Sua vontade, a qual ainda expressaremos (com palavras audíveis ou não, com lágrimas ou não, ou só com a mente e em lágrimas) na nossa próxima oração; 

Isaías 38.1-6 e Efésios 3.20 - Deus pode responder imediatamente e ainda superar aquilo que pedíamos;

Mateus 14.28-32 - Ele atende a oração daquele que se rende a Ele, mesmo que sua fé seja pequenina.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Aborto em pauta

Por Ana Chagas

Gostei muito da resposta que a membro do parlamento dinamarquês, Mette Gjerskov, recebeu da representante africana Obianuju Ekeocha (microbióloga pela Universidade da Nigéria e Mestre em Ciências Biomédicas pela Universidade de East London), por estar incentivando a prática do aborto nas sociedades africanas. E, observando a firmeza com que a Obianuju defende seus valores culturais, morais e éticos, fortaleci ainda mais a minha certeza de que precisamos ser firmes em nossa convicção cristã, precisamos posicionarmo-nos diante desta e de outras questões tão destacadas nos últimos tempos em nossa sociedade.
Pesquisando acerca de Obianuju, li um de seus artigos, de onde destaquei estres trechos, que gostaria de compartilhar com vocês:
"Uma mulher liberal é uma mulher de fé e da família. Esta é a verdade que deve ser falada em toda a África."

"[...] Eu oro para que as mulheres que estão grávidas possam  escolher a vida para seus bebês a todo o custo."
Antes de prosseguir a leitura, veja o conteúdo do vídeo, que ocorre em uma sessão da ONU, onde palestrantes e especialistas discutiam as oportunidades e os obstáculos nas políticas de ajuda externa para reduzir a mortalidade materna na África:



A ênfase do meu comentário não é na questão política do colonialismo ou neo-colonialismo. Não. A minha questão envolve principalmente os valores éticos e morais cristãos.
Você pode até argumentar que cada pessoa tem sua opinião, e adota a postura que bem lhe parecer diante desta questão. Com certeza cada pessoa deve respeitar a opinião e a expressão de opinião de outra. Porém, quanto a aprovar o aborto e concordar com aquelas mulheres que o praticam, é algo a refletir e ponderar muito bem antes de, simplesmente, ser "Maria vai com as outras" no sentido de aceitá-lo como algo legal e normal, pois há alguns pontos a serem observados neste vídeo:

1) O vídeo registra parte importante de um encontro de representações políticas na Organização das Nações Unidas (ONU) discutindo o destino e comportamento das sociedades quanto ao controle de taxa de mortalidade materna na África.


2) O assunto Aborto tem sido tratado banalmente como sendo "questão de saúde pública", ou mesmo de um "direito da mulher sobre o seu próprio corpo". A senhora dinamarquesa no vídeo acima defende o aborto. Mas eu pergunto: "Antes que ela pensasse desta forma, quem incutiu em sua mente que o aborto é o melhor caminho?" Pois, se ela afirma que a mulher deve ter o direito de abortar ou não, significa que ela considera o aborto algo aprovável. 
Isto mostra o quanto a sociedade em que ela está inserida se distanciou dos padrões cristãos; tendo em vista que a Dinamarca professa ter a predominância cristã Luterana. Uma sociedade originalmente cristã sabe que o aborto é um atentado contra a vida. 
É estarrecedor perceber o quanto a representante africana é veemente em afirmar seus valores de fé, sustentando tais valores morais e éticos, certamente tendo recebido o exemplo desde seus ancestrais, que também eram radicalmente contra o aborto.


3) A própria Ciência reconhece que desde a fecundação já existe a nutrição e um processo de desenvolvimento, portanto, intrinsecamente a vida já se encontra ali, embora ainda, informe. Isto também é aceito pela genética, pela embriologia e pela medicina fetal.

4) A nossa mente tem a condição de evoluir conforme o grau de nosso conhecimento, isto é um fato, porém, quando se trata de tornar legal o assassinato a um ser indefeso e incapaz de expressar um grito de socorro, apenas para que se torne mais leve o peso na consciência de quem tal coisa pratica, e para que seja banalizada a vida a tal ponto, não se trata mais de um progresso de ideologia e de comportamento das sociedades, mas de um retrocesso, pois Deus nos fez humanos, mas, cada dia mais este tem se afastado de sua humanidade, e ao se afastar de Deus e da sua Lei, o homem perde o rumo. E o homem sem rumo tenta gerir sua própria vida, mas o governo do homem é injusto e parcial, em favor de si mesmo e dos males que pratica.

Todavia, quando o homem (homem ou mulher, no sentido genérico) volta-se para Deus, quando coloca os óculos corretos (mesmo num mundo relativista), este pode enxergar qual é a vontade de Deus expressa em sua Palavra, a qual, absolutamente, não aprova o aborto. 

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Impeachment - papel da Igreja neste momento delicado

Por Ana Chagas

Neste frágil momento na política do nosso País, momento este, em que estamos vivendo uma incerteza, vendo a economia arruinada, o Setor da Saúde na UTI; onde de fato, vemos mais oportunidades de acesso ao ensino superior, porém, a educação base deixando ainda muito a desejar. Momento em que, crianças são geradas e levadas à escola apenas visando aumentar a renda da família num Programa Social (lamentável); e ainda, outros setores, que também clamam em alta voz por medidas eficazes por parte do governo, e não é de hoje. São problemas que perduram em nosso País por longos anos.
Claro, que, enquanto cidadãos, não podemos viver alienados desta realidade; mas o que não podemos é, ficar nos degladiando sem podermos dar a solução ao problema aí já instalado.
Então, surge a pergunta: Qual seria o posicionamento correto para nós, Igreja do Senhor?
Sabemos que, tanto os que são da direita, quanto os que são da esquerda, tanto os que queriam o Impeachment quanto aqueles que prefeririam novas eleições, estão agora diante de uma mesma expectativa: o que será do futuro do nosso Brasil?

Independente de que lado eu e você estivermos, há uma ordenança do Senhor à sua Igreja. Muitos nem gostam de ler ou mesmo ouvir alguém recitando este trecho bíblico, tamanha é sua revolta contra os governantes ora em evidência.

Porém, uma coisa é certa: Ninguém recebe autoridade se Deus não lhe conceder, foi isso que Jesus disse a Pilatos:

"Disse-lhe, pois, Pilatos: Não me falas a mim? Não sabes tu que tenho poder para te crucificar e tenho poder para te soltar?
Respondeu Jesus: Nenhum poder terias contra mim, se de cima não te fosse dado;" (João 19:10,11a)
Por isso, devemos, em primeiro lugar, submeter-nos à permissão de Deus, e clamarmos incessantemente para que o nosso País não seja submetido a ainda mais sofrimento.

"Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens;
Pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade;
Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador." (1 Timóteo 2:1-3). 

"Sujeitai-vos, pois, a toda a ordenação humana por amor do Senhor; quer ao rei, como superior;
Quer aos governadores, como por ele enviados para castigo dos malfeitores, e para louvor dos que fazem o bem." (1 Pedro 2:13,14).

Deus é Juiz, confiemos em sua Palavra, que diz que aquilo que o homem ceifar, isto colherá, começando já aqui neste mundo, e muito mais na eternidade.
Deus tenha misericórdia do nosso País! Que dias melhores venham para nós!

Gostaria de finalizar indicando excelentes Artigos sobre Política na Bíblia, do Pr. Yago Martins, Acesse e, ao final dos títulos dos artigos vá avançando ou retornando e lendo todos os temas que ele aborda.