quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Buda, maomé e Jesus eram mestres que ensinavam o amor: Analisando esta afirmativa.

Por Ana Chagas

     Navegando na internet, encontrei a imagem com a frase: "Buda não era budista... Jesus não era cristão... Maomé não era um muçulmano... Eram mestres que ensinavam amor. O amor era a sua religião".


     Não sei quem é o autor, pois a imagem não traz seu nome. Mas não resisti. Tive que comentar, tanto aqui quanto na rede social onde a encontrei. 

Eis aqui o que comentei:
     Com um diferencial: Jesus Cristo era e é o próprio Filho de Deus, A fonte do Amor verdadeiro. Ele é o Verbo que se fez carne e habitou entre nós, o próprio Deus que deixou a sua glória para humilhar-se à forma de uma criatura decaída pelo pecado, a qual somos nós; e veio a humilhar-se ainda mais; sendo rejeitado e cumprindo seu sacrifício em nosso lugar, sendo entregue pelos homens judeus àquela morte humilhante de cruz. 
     Ele sim, morreu no lugar de homens impotentes diante do efeito que o pecado lhes trouxe; homens incapazes de salvarem-se a si mesmos. E, após cumprir sua missão salvífica foi sepultado. Mas, diferente de Maomé e de Buda, Ele já não está na tumba; ao terceiro dia foi ressuscitado pelo Pai, o qual O recebeu novamente na glória que já lhe pertencia antes do mundo existir, e aguarda agora o momento de vir buscar sua igreja. 

     E este Jesus Cristo é o mesmo que disse que sobre aquela confissão proferida pela boca de Pedro: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo!", Ele (Jesus) edificaria a Sua igreja. 
O nome CRISTÃO significa pequeno cristo, ou seja, que o cristão deve ser testemunha fiel dEle aqui no mundo, evidenciando esta identificação dele com Cristo por meio de seu viver coerente com a sua pregação, como O AMOR, do qual tanto a imagem acima enfatiza; o qual devemos não apenas pregar, mas viver de fato, seja dentro das paredes da igreja, seja no trato com o outro, o nosso próximo.

     Precisamos, então, ser testemunhas de Jesus Cristo, e não do Budismo, o qual firma a existência humana em meras filosofias, que acredita na reencarnação, e nega a divindade de Jesus, o qual é visto por eles apenas como um “mestre”, e ainda, é uma religião politeísta, dentre outros pontos divergentes. Precisamos ser testemunhas de Cristo e não de Maomé, o qual mesclou seu conhecimento bíblico com o que lhe foi conveniente; prometendo, por exemplo, que no céu os homens que seguem esta religião receberão sete virgens para desfrutarem delas, quando O próprio Senhor Jesus afirmou que na eternidade com Cristo, não haverá vida sexual. Leia: "Porque na ressurreição nem casam nem são dados em casamento; mas serão como os anjos de Deus no céu." (Mateus 22:30). Além disso, também negam a divindade de Jesus Cristo, e colocam a personalidade de Maomé como ídolo, e Alah como deus. O sistema islâmico é um sistema não apenas religioso, mas um sistema autoritário político-religioso, muito opressor e perigoso, diferente do caminho da salvação, que é Jesus Cristo, o qual afirmou: "Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." (João 14:6); e: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve. (Mateus 11:28-30).


     A Bíblia nos diz: "Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem." (1 Timóteo 2:5); "E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos." (Atos 4:12)

     A RELIGIÃO EM SI MESMA NÃO TEM PODER SALVADOR. JESUS SIM, ESTE É O ÚNICO QUE NOS CONDUZ A DEUS, E AO VERDADEIRO AMOR. E, PARA CONHECERMOS O VERDADEIRO AMOR, PRECISAMOS CONHECER TAMBÉM A SUA VERDADEIRA FONTE, O VERDADEIRO DEUS

     LEIA: "Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor. E nós conhecemos, e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele. Nisto é perfeito o amor para conosco, para que no dia do juízo tenhamos confiança; porque, qual ele é, somos nós também neste mundo." (1 João 4:8,16-17). Nem todos que têm sua boca cheia das palavras "AMOR", "DEUS", "JESUS", ETC. têm necessariamente vida com DEUS. LEIA: "Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus." (Mateus 7:21); "Porque o Senhor disse: Pois que este povo se aproxima de mim, e com a sua boca, e com os seus lábios me honra, mas o seu coração se afasta para longe de mim." (Isaías 29.13 A). 

PORTANTO, O VERDADEIRO AMOR EMANA DE DEUS, E SÓ O ENCONTRA QUEM É ALCANÇADO POR DEUS!

LOUVADO SEJA O ÚNICO E VERDADEIRO DEUS DE AMOR!
 

5 comentários:

Ednalva Duarte disse...

Claro que sendo do Católicos, não entendem o que digo. Independente desses homens terem existido ou não, o que ficou foi a palavra de cada um. E a essência dela é o amor.

Ana Chagas disse...

Olá, Ednalva Duarte, não sou católica apostólica romana. Sou cristã protestante. A questão aí não é se eles existiram ou não. Pois é fato registrado nos anais da história a existência deles. O âmago da questão é que jamais podemos colocar em grau de igualdade ou equivalência Jesus e os demais indivíduos citados na frase que originou este artig; simplesmente porque há uma diferença entre falar de amor, e de SER ELE PRÓPRIO O AMOR, SER ELE PRÓPRIO A FONTE DO AMOR VERDADEIRO E ETERNO.

Deus te abençoe!

Vitória Gomes disse...

O catolicismo não tem nada a ver com isso. Eu sou católica e achei sim a imagem muito interessante pois, eu acho que independente da crença o fato de ser uma boa pessoa e ter amor é o mais importante. Inclusive é isso o que eu aprendi na minha igreja. Por favor não generalize.

Nilza Aparecida Candido Tabata disse...

A diferença também se dá em razão dele (Jesus Cristo) ser o único homem perfeito e que veio ao mundo na semelhança de Adão para tirar o pecado do mundo, sendo até mesmo identificado como o segundo Adão e não somente o único perfeito como também o unigênito por ter sido o único criado diretamente por Deus e o primogênito por ser o primeiro criado por Ele, porque todas as coisas vieram a existência por intermédio dele.

Ana Chagas disse...

Nilza, obrigada por visitar, e por interagir conosco aqui no Blog. De fato Jesus está acima de todas as coisas. Ele é incomparável a quaisquer personalidades ou autoridades instituídas, sejam elas políticas ou religiosas; pois ele deixou a sua glória e encarnou, humilhando-se à forma decaída do homem, porém, nasceu incontaminado pelo pecado; por obra do Espírito Santo, onde não houve fecundação humana.
A propósito, gostaria apenas de comentar o que você diz sobre Jesus ter sido criado por Deus: Jesus Cristo não foi criado, pois Ele é Deus, e já Era com o Pai desde antes da criação. O Pai, O Filho e O Espírito Santo formam o Deus triuno. Triuno porque os três subsistem em três pessoas mas são um só. Nenhum deles nasceu, porque nenhum deles jamais foi criado. Eles são o princípio de todas as coisas. No Evangelho de João capítulo um lemos claramente o que João, inspirado pelo Espírito Santo, afirma: "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.Ele estava no princípio com Deus.Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez." (João 1:1-3);
O Apóstolo Paulo também afirma: "Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém." (Romanos 11:36).
Deus te abençoe. Volte sempre.