quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Seja como o sapo surdo

Por Ana Chagas


clique para ampliar
Ao ler o primeiro comentário postado pela jornalista Micheline Borges acerca das médicas cubanas que estão no Brasil, pensei: “O que se esperar de pessoas que estão acostumadas a rotular, ou ainda a determinar quem pode ou não pode exercer determinada profissão?”


Felizmente, pude constatar depois, que ela pediu perdão publicamente pelas suas tristes palavras. Porém, não poderia deixar de compartilhar algumas reflexões que fervilharam em minha mente ao observar esta situação.



 Eu, particularmente, dou graças a Deus porque tenho a alegria de ver, em nosso País, pessoas negras, ou pessoas que vem de uma realidade de extrema pobreza, ou ainda, pessoas que, mesmo tendo "cara de empregadas", estão se destacando, se formando em direito, passando de primeira na prova da OAB; se tornando médicas, tendo sucesso financeiramente, conquistando espaço, enfim. 


Este comentário preconceituoso, no meu ponto de vista, deve nos servir de estímulo para os brasileiros colocarem em suas cabeças que não devem aceitar os rótulos que pessoas ou que a própria sociedade impõe sobre eles. 




Gostaria de deixar aqui uma palavra a todos aqueles que já foram rotulados alguma vez na vida: 

Vocês não são incapazes, embora muitas vezes sintam-se impotentes diante da desigualdade e injustiça social. Vocês não são formigas, como as do filme da "Formiguinha Z", que já nascem com todos ao redor determinando o que ela vai ser, se operário, se soldado, se general, etc. , apenas pela aparência física de cada uma. Vocês não vivem em uma cultura de castas, onde ninguém tem chance de crescer ou de prosperar, exceto os que nasceram "bem", segundo aquela cultura. Vivemos em um País onde podemos, ainda que com dificuldade, vislumbrar um objetivo e lutar por ele com garra, sem parar para dar ouvidos a rotuladores. Há um texto interessante que li que dizia que um grupo de sapos seguia rumo ao seu objetivo, porém, um a um iam ficando pra trás quando paravam para ouvir o que diziam os que estavam ao longo do caminho. Mas havia aquele sapinho persistente que seguia firme, ignorando as palavras de desânimo que ouviam. Alguns observavam de longe a persistência daquele sapinho. Até que ele alcançou o seu alvo. Quando eles foram averiguar qual era a razão de ele ter conseguido chegar sem ter se deixado desanimar como todos os outros, descobriram que o fator que o levou a vencer todos os obstáculos era bem simples: ele era surdo.
Mas eu vou ainda mais além. Além da necessidade de não aceitarmos rótulos preconceituosos sobre nós baseados em nossa aparência exterior; devemos nos lembrar de que Deus não nos julga pela aparência, mas ele conhece quem de fato nós somos. Quando sonhamos para nós os mesmos planos que o Senhor tem para nós, então, meu amigo, não há quem possa impedir que estes venham se cumprir. Não é uma pessoa que vai chegar e nos rotular e impedir que prossigamos e que realizemos os nossos sonhos e que venhamos até mesmo a surpreender aos outros e a nós mesmos, sendo e realizando coisas que nem imaginávamos alcançar. E isto que digo aqui não é em defesa de uma teologia de prosperidade distorcida que muitos têm pregado por aí, mas é a teologia da prosperidade bíblica, a qual Deus distribui como quer e a quem quer; principalmente entre os que o temem, porém, não podemos esquecer que as bênçãos espirituais advindas da Nova Aliança inaugurada por Cristo sobrepujam as demais bênçãos materiais e, portanto, passageiras.
O que estas médicas cubanas têm a ver com o que estou falando aqui? Talvez nenhum de nós tenha parado para pensar na realidade de vida de cada uma daquelas mulheres. Alguém aí parou para pensar nisso?
Por que trazer médicos justamente de Cuba? Não sei responder. O que posso dizer é que aqui há muitos médicos aptos para trabalhar, e que, por “enes” motivos não foram contratados. Com certeza há muita coisa errada no governo brasileiro, principalmente em relação à saúde e educação; fatos contra os quais, nós, como Igreja, devemos sempre assumir uma postura de protesto contra a injustiça e a corrupção, chamando sempre pecado de pecado.
Sem dúvida, fatos como este, mesmo que envolvendo pessoas de outro País, acabam nos levando a refletir acerca de quem somos e da maneira como olhamos para as pessoas; como as julgamos; do que aparentamos ser, do que as pessoas pensam de nós, e, principalmente, do que Deus pensa a nosso respeito; sim, porque este último fator é o mais importante de todos.

Deixemos de lado o preconceito e os rótulos. Prossigamos, há um alvo a ser atingido!
Sejamos como aquele sapo surdo!

Logo abaixo você confere o texto A corrida dos sapos à qual me referi acima:


A corrida de sapos


Era uma vez uma corrida de sapos...
O objetivo era atingir o alto de uma grande torre. Havia no local uma multidão assistindo. Muita gente para vibrar e torcer por eles. Começou a competição. Mas como a multidão não acreditava que os sapinhos pudessem alcançar o alto daquela torre, o que mais se ouvia era:

"Que pena !! esses sapinhos não vão conseguir... ...não vão conseguir..."

E os sapinhos começaram a desistir.

Mas havia um que persistia e continuava a subida

em busca do topo...

A multidão continuava gritando :

"... que pena !! vocês não vão conseguir !..."



E os sapinhos estavam mesmo desistindo, um por um...

menos aquele sapinho que continuava tranqüilo...

embora cada vez mais arfante.

Já ao final da competição, todos desistiram, menos ele...

A curiosidade tomou conta de todos.

Queriam saber o que tinha acontecido...

E assim, quando foram perguntar ao sapinho

como ele havia conseguido concluir a prova,

aí sim conseguiram descobrir...

que ele era surdo !

Não permita que pessoas com o péssimo hábito de serem negativas, derrubem as melhores e mais sábias esperanças de nosso coração !

(autor desconhecido)

 

2 comentários:

George Gonsalves disse...

Estigmas nos afastam de exercer misericórdia. Parabéns.

André Bronzeado disse...

Muito bom Ana. Que Deus continue te abençoando. De fato é triste convivermos com discriminação e rotulação. Louvado seja Deus que não faz acepção de pessoas e que se interessou por criaturas desprezíveis como nós nos concedendo a salvação.