quinta-feira, 11 de abril de 2013

A Disciplina bíblica na igreja

Por Ana Chagas
 Algo que me deixa muito triste é perceber que em algumas igrejas a Dsiciplina não tem sido aplicada como deveria ser, e que isso acaba ferindo as ovelhas, ou mesmo deixando-as tão cheias de lã, sem cuidados, que acabam caindo, sem ter quem as levante, não podendo, portanto suportar a altas temperaturas, devido ao excesso de lã. A realidade da vida da ovelha que se perde das demais, parece bastante com esta situação, de fato.

Antes de prosseguirmos, é muito interessante que observemos o que é a disciplina na vida da igreja.

  • A disciplina não é vingança; mas é um remédio para alguém que precisa ser sarado; é um processo que deve estar sempre embasado na Palavra de Deus; com amor e prudência.
  • A disciplina não deve ser geradora daquele terrível sentimento de "alma lavada" naqueles que desejavam a disciplina do irmão que estava em pecado. Antes, deve gerar nos que presenciam esta aplicação, um sentimento de temor à santidade de Deus e de grande compaixão pelo seu próximo que tropeçou na caminhada;
  • Não é um castigo sem finalidade, mas um procedimento bíblico com propósito restaurador;
O crente quando disciplinado ou que esteja vivendo de forma digna de disciplina,  não pode encarar a mesma como uma "perseguição" da igreja à sua pessoa, nem mesmo como "falta de amor"; antes, ele mesmo deve compreender que a igreja do Senhor é testemunha de Cristo aqui na terra e deve ter bom testemunho diante do mundo e diante de Deus, que a todos sonda e conhece. O crente que está em pecado deve ser o primeiro a reconhecer o seu erro, e a sua necessidade de disciplina, e deve, o quanto antes, procurar o seu líder, o seu pastor. E não, procurar o pastor somente quando sabe que o assunto, guardado por tanto tempo, e com tanto zelo, virá à tona de qualquer jeito, quando não há mais o que esconder, como última alternativa. O crente arrependido aceita a disciplina, sofre o dano, justamente porque a sua prioridade é ser aperfeiçoado em santidade e pureza na presença de Deus. Infelizmente, há muitos que se tornaram tão rebeldes, a ponto de não aceitar a disciplina, nem sequer acompanhamento algum por parte de sua igreja. A estes que assim procedem só nos resta orar por eles e pedirmos ao Senhor uma oportunidade e uma palavra vinda do alto, na hora certa, para nos dirigirmos a ele. Há ainda alguns que estão numa atitude semelhante de rebeldia, porém, como reação a feridas causadas por palavras erradas ditas pelos próprios irmãos.
 

Mas, afinal, o que a Bíblia diz acerca do objetivo da Disciplina? 

A Disciplina é um dos instrumentos por meio dos quais o Espírito Santo dirige a igreja a uma vida de santidade e pureza.  Dentre estes instrumentos estão a pregação e o ensino das Escrituras Sagradas; a qual opera lavagem no coração dos ouvintes eleitos, como afirma o próprio Senhor Jesus: "Vós já estás limpos pela Palavra que vos tenho falado." (Jo 15.3). O apóstolo Paulo também nos ensina acerca desta purificação e santificação que o Senhor efetua na sua igreja por meio da Palavra: "[...] como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela,para que a santificasse, tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela Palavra." (Ef 5.25b e 26). Não apenas o ensino e a pregação são importantes na vida da igreja, mas a presença da disciplina é um sinal de que aquela igreja busca viver dentro da doutrina dos apóstolos, e que busca preservar a si mesma imaculada até a vinda do seu Senhor. 

É fato que alguns dos que são de fora consideram, embora que erroneamente, a disciplina como algo injusto e opressor por parte das igrejas que a aplicam; mas esta é uma ótica puramente humana e emocional. Precisamos entender que os preceitos de Deus para a sua igreja são bons e promovem o seu crescimento saudável e contínuo na presença dEle. Outros, mesmo não sendo cristãos, se revoltam ao perceber que tantos cristãos por aí afora andam escandalizando o evangelho e a igreja não toma uma posição disciplinar em relação a eles. E elas têm razão. Infelizmente há muitos líderes que têm se omitido em disciplinar seus membros por diversos motivos, até mesmo para não perder amizades, para não perder membros, e consequentemente, perder dízimos. É triste, mas isto é notório na igreja de forma geral. Deus coloca o líder à frente de uma igreja, ele é investido de autoridade diante da igreja, porém, na hora de disciplinar, ele se esquiva. O Senhor, com certeza cobrará destes pastores sua falta de cuidado para com as ovelhas, pois, antes de ser deles, são ovelhas do próprio Deus. Pois o pastorado não envolve somente a responsabilidade de alimentar as ovelhinhas, mas também a grande responsabilidade de fazer uso do cajado e da vara na caminhada de crescimento do seu aprisco quando necessário.

Precisamos olhar para a disciplina de forma equilibrada, olhar para ela vendo o que, de fato, ela é, ou pelo menos, o que ela deveria significar no meio da igreja. 

Vejamos o que diz a Bíblia acerca deste assunto no cap. 5 da primeira Carta de Paulo aos Coríntios em relação à Disciplina na igreja: "Geralmente se ouve que há entre vós fornicação, e fornicação tal, que nem ainda entre os gentios se nomeia, como é haver quem abuse da mulher de seu pai. Estais ensoberbecidos, e nem ao menos vos entristecestes por não ter sido dentre vós tirado quem cometeu tal ação. Eu, na verdade, ainda que ausente no corpo, mas presente no espírito, já determinei, como se estivesse presente, que o que tal ato praticou, Em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, juntos vós e o meu espírito, pelo poder de nosso Senhor Jesus Cristo, Seja entregue a Satanás para destruição da carne, para que o espírito seja salvo no dia do Senhor Jesus. Não é boa a vossa jactância. Não sabeis que um pouco de fermento faz levedar toda a massa? Alimpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós. Por isso façamos a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da maldade e da malícia, mas com os ázimos da sinceridade e da verdade. Já por carta vos tenho escrito, que não vos associeis com os que se prostituem; Isto não quer dizer absolutamente com os devassos deste mundo, ou com os avarentos, ou com os roubadores, ou com os idólatras; porque então vos seria necessário sair do mundo. Mas agora vos escrevi que não vos associeis com aquele que, dizendo-se irmão, for devasso, ou avarento, ou idólatra, ou maldizente, ou beberrão, ou roubador; com o tal nem ainda comais. Porque, que tenho eu em julgar também os que estão de fora? Não julgais vós os que estão dentro? Mas Deus julga os que estão de fora. Tirai, pois, dentre vós a esse iníquo".
A partir deste texto, vemos que, de fato, a disciplina é algo inseparável da vida da igreja. Apenas temos que ter cuidado no modo como enxergamos a disciplina, e na forma como estamos tratando os irmãos que passam por ela. Lamentavelmente tenho que mencionar quenão poucas vezes, pessoas acabam não voltando mais para a comunhão da igreja após um período,seja ele curto ou longo de disciplina. Por que será que isso acontece? Nós bem sabemos que nós mesmos, como igreja do Senhor, muitas vezes, ao invés de sermos irmãos, queremos ser o carrasco. A situação de uma pessoa que está sob disciplina é de vergonha, de arrependimento e de desejo de ser restaurado por Deus completamente; pelo menos é o sentimento esperado na vida dele/dela. E isso já não é bastante? Por que será que muitas vezes a restauração não ocorre no tempo previsto? Justamente porque, no meio do seu árduo caminho de cura, de restauração, alguns imprudentes lançaram pedras sobre ele/ela, ao invés de cordas para o/a puxar para cima, rumo à restauração na presença do Senhor. (Leia ainda: Gl 6.1; 2 Tm 3.16-17)

Qual é a função do corpo quando um membro adoece? Mesmo que via medicamentos, é produzir defesa, anticorpos para expurgar o que não está fazendo bem, nutrientes para fortalecê-lo para que ele responda positivamente ao tratamento, e assim, este membro poderá ser restabelecido. 

Não sei exatamente de quem é esta frase,mas a acho muito propícia: "O exército cristão é o único exército que deixa para trás os seus feridos." Isso é uma realidade muito séria!

Quando a disciplina eclesiástica é aplicada com o propósito de restaurar aquele que caiu, é biblicamente corretíssima. Ou seja, a disciplina bíblica é aplicada ao mesmo tempo que ocorre um acompanhamento por parte da igreja, tanto de líderes quanto dos irmãos em prol da restauração daquele que pecou, e isso deve ser feito com amor e com sabedoria de Deus. Mas quando a disciplina deixa de ser instrumento de bênção de restauração, e passa, por causa de alguns que não tem maturidade cristã, a ser uma pedra para acabar de matar o que caiu, é um verdadeiro desastre. Infelizmente, muitos tripudiam sobre aquele que caiu, ao invés de estender a mão para ser instrumento de cura e de restauração. Saibamos que o agente que opera tudo em todos é Deus, mas nós somos seus embaixadores aqui, e a nossa mensagem é "Reconciliai-vos" e não, "Afastai-vos". Infelizmente, na história da igreja muitos ficaram para trás, pararam estagnados à beira do caminho, e não houve quem o ajudasse. Quero dizer que eu creio que os eleitos de Deus também podem estar entre os que ficaram para trás, abandonados pelas suas igrejas, e que, até mesmo na hora de seu último respirar na terra, o Senhor pode tratar com eles, como? Mistério de Deus. O Deus que eu sirvo pode fazer com que um segundo se torne em horas, pois Ele está acima do tempo, fora do nosso chronos. Mas, uma coisa é certa: Deus cobrará dos pastores que não socorreram corretamente suas ovelhas, e de cada um de nós, membros de igrejas, que desprezamos os nossos irmãos e nada fizemos pela sua restauração.
A igreja sempre se renova, vão-se cinco, vêm dez, e assim por diante. Porém, os dez que chegam não podem nos fazer esquecer os cinco que ficaram para trás. E muitos tem feito assim, infelizmente.

Precisamos ter sabedoria e prudência acerca de o que falar, como falar, e quando calar. Se o que temos pra falar não for edificar. Fechemos a nossa boca. Nem sequer devemos ir à casa do nosso irmão que está passando por estas dificuldades ou que já está em processo de restauração se não tivermos em nosso coração e em nossos lábios palavras que possam edificá-lo.  Se não estivermos levando conosco unguento para suas feridas.


Que Deus nos ensine a ser cristãos melhores.

terça-feira, 9 de abril de 2013

Não compartilhe imagens de protesto que contenham beijo homossexual. Sugestão a todos os que prezam pelo valor da família

Por Ana Chagas

Estava observando a forma com que muitos cristãos estavam protestando contra o movimento LGBT no Brasil, e cheguei à conclusão de que, estávamos, de certa forma, divulgando exatamente o que eles queriam, as imagens de beijos homossexuais.Protestemos sim, mas com imagens que não contribuam com este movimento. Apenas uma sugestão. Fica a dica.