terça-feira, 12 de junho de 2012

O Jurado Miranda diz no Programa Astros: "Você foi apelar logo pra Deus?"


Ontem à noite no Programa "Astros" do SBT, vi algo que me deixou indignada. A jovem universitária Bárbara Stefanie, após ter cantado, foi desafiada pelo jurado Miranda a cantar uma música em português para mostrar se realmente tinha talento. A moça começou a cantar o hino "Mais perto quero estar, meu Deus de ti" a capella, por sinal foi muito linda a sua interpretação. Só que, ao terminar, o jurado Miranda jogou uma enxurrada de críticas sobre a moça, dizendo que ela não teve atitude de um artista de verdade, que um artista de verdade não iria apelar para Deus, que um artista de verdade não teria ido pelo caminho mais fácil; que só reconheceria o talento dela se ela tivesse encarado cantar uma música POP, mas como não fez isso, não teve postura de uma artista. Enfim, no final das contas, após as críticas, ele aprovou a sua classificação para a próxima fase do Programa. 

O que quero trazer à discussão é: Vocês percebem o quanto existe hipocrisia na mídia? Não todos, mas muitos querem os cantores Gospel em seus Programas apenas porque lhe dão IBOPE, nada mais. Apenas porque ser cantor Gospel está "na moda", apenas para obter deles o que podem lhes oferecer: mais prestígio. 

Considerei um ultraje à música cristã o que o Miranda falou. Será que por ser um hino evangélico, deixou de ser música, deixou de ter valor, ou deixou de ser válido? Pelo contrário, aquele hino escolhido por ela é uma das mais belas e profundas letras que já ouvi. Há hinos que são lindos e exploram o potencial vocal de quem as interpreta, como foi o caso daquela moça. O hino original é simples, mas ela conseguiu dar um toque especial com seus arranjos de voz. Parabéns a esta jovem, que ao ser desafiada a cantar algo profundo e envolvente, lembrou-se em primeiro lugar de Deus. Isto é louvável, e não desprezível, como o Miranda fez parecer. 
Deu para perceber os olhares e a reação do público de desaprovação às palavras do Miranda, creio que concordariam com o que estou dizendo aqui. 
Antigamente ninguém via um crente sendo recebido em programas televisivos para cantar, crente não tinha vez, hoje já estão abrindo este espaço, talvez apenas pelos benefícios próprios como já disse; mas como disse Paulo: "Contanto que o Evangelho seja pregado...". 

 A Deus a Glória! A Ele a Glória!

Confiram AQUI o vídeo do Programa e veja você mesmo.

sábado, 2 de junho de 2012

...Os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum...

 Ana Chagas

"Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum." Atos 2.44

A função da Igreja no mundo é um assunto muito relevante, por isso é necessária sua compreensão por parte do povo de Deus.
Verdadeiramente compreendemos o papel da Igreja no mundo? 
A obra da Regeneração é realizada na vida de cada pessoa exclusivamente pelo Espírito Santo. Estas, buscando uma vida de santidade e de crescimento no conhecimento de Deus e da Sua palavra a partir deste momento, passam, então, a participar da igreja. E chegam na igreja, cada qual com uma história de vida, cada qual com uma realidade cultural, social, emocional,enfim; e muitas vezes estão com suas vidas desajustadas em alguma destas áreas, ou talvez em todas elas.

A grande questão é: 
Qual é o papel da igreja como Instituição religiosa, como agência de Deus aqui no mundo com relação àqueles que passam a fazer parte dela, e o que ela tem feito? E eu e você, enquanto Igreja invisível do Senhor e temos também esta responsabilidade, o que temos feito?

Temos vários registros bíblicos acerca da função da igreja no mundo, devemos nos espelhar no exemplo da igreja primitiva no exercício do amor, que deságua em um cuidado completo por parte da igreja para com seus membros e congregados. Vale salientar que, antes de ser uma Instituição Religiosa, eu e você, somos Igreja de Cristo, sendo assim, é responsabilidade de cada um de nós agirmos desta maneira para com nossos irmãos. Vejamos alguns destes registros:

a) Pregar a Verdade e fazer discípulos (I Tm 4.6-16; Mt 28. 18-20; I Tm 6.3-10; II Tm 3.16 II Tm 4.1-5; I Co 10.33);
b) Vivenciar e evidenciar o amor de Deus (Jo 13.35; Jo 15.12; Lc 10. 25-37; I Jo 4.7-21);
c) Edificação mútua (I Ts 5.11; I Co 14.26; Jd 20-23; Cl 3.16-17);  
d) Restaurar (Sl 19.7-14; Lc 10. 25-37);  
e) Salgar (Mt 5.13; Lc 14.34-35;  );  
f) Ser exemplo (Mt5.16; I Tm 4.12; I Co 10.31); 
g) Ser luz (Mt 5.14-16; I Jo 1.7);  
h) Influenciar positivamente (I Tm 4.14-16); 

i) Suprir as necessidades: 
   1) espirituais (Ez 34.1-10); 
   2) emocionais (Rm 15.1-7 );
   3) materiais ( At 2.44; At 4.32-35; At 20.35; II Co 8.1-15; Sl 41.1; Pv 14.31;Mt 25. 41-46; I Tm 5.8).

A suma, portanto, é: Certamente que a Igreja- Instituição religiosa tem estas obrigações de vivenciar todas estas questões citadas acima; porém, eu e você, Igreja invisível de Deus, também precisamos compartilhar tudo isso com os nossos irmãos para que assim glorifiquemos ao nosso Pai celestial. E não digo apenas a respeito do pão material, mas, primeiro do pão espiritual, e juntamente, do pão material, pois ele também é necessário.  Algo que acontece com frequência é que os membros se acomodam,achando que somente a igreja tem, por exemplo, obrigação de suprir as necessidades dos irmãos, ou de acompanhar aquele que está passando por disciplina, ou mesmo de discipular os novos convertidos; tudo isso também é de nossa responsabilidade pessoal enquanto membros do Corpo de Cristo. Mas, infelizmente, temos sido omissos, e às vezes, ao invés de ajudarmos nossos irmãos, jogamos pedras para que ele afunde ainda mais no desprezo, nas fofocas, na falta de alimento espiritual e até mesmo material. Acordemos para nossa responsabilidade diante de Deus para com o nosso irmão.
As pessoas que vêm até nós não são somente almas, são pessoas completas, com necessidades complexas, e não trazem consigo apenas a principal necessidade, que é a de serem salvos, mas uma gama de outras necessidades. 

Ainda há um outro aspecto acerca do acompanhamento da igreja para com os que vêm fazer parte dela que às vezes passa despercebido. A igreja tem como podemos dizer, uma principal tarefa, na qual todas estas citadas estão implícitas. A igreja recebe o indivíduo, cuida dele, ensinando-lhe como é ser um discípulo de Cristo, e o reenvia ao mundo,porém, agora, não mais como era antes, mas transformado e apto para fazer novos discípulos, e isto se dá na sua vida cotidiana, onde ele estiver inserido na sociedade. Mas, infelizmente acontece diferente: as pessoas se convertem, começam a frequentar os cultos, ficam lá no seu canto, recebendo alimento espiritual, represando apenas em si mesmos, envolvido em atividades que giram em torno de si mesmos como instituição religiosa e pouco tempo é dedicado e refletir sobre a missão para fora das paredes da igreja; tudo isso começa a parecer mais uma tribo urbana, todos querem apenas estar ali, onde todos se parecem com eles, onde ele já estão bem adaptados e amoldados, e muitas vezes, desenvolvem uma aversão por estarem perto e de relacionar-se com os não-crentes. Isto é muito perigoso para a igreja. Esta situação cômoda, a impede o crente de cumprir o IDE do qual a Bíblia diz. 
Os membros e congregados que vão chegando na igreja, são regidos, quer queira, quer não, pelo panorama que encontram ao chegarem. Infelizmente, às vezes eles encontram pessoas que só entendem que evangelizam quando saem para distribuir panfletos, quando na verdade deveriam ser ensinados, por meio do exemplo, a enxergar o evangelismo como algo que deve abranger a vida daquele que nasceu de novo de tal forma que venha impregnar toda a sua vida, e que ele já não seja levado a cometer o erro de querer separar sua vida em "vida espiritual" e "vida secular", e assim possa ser reenviado ao mundo como alguém transformado que agora testemunha de Cristo e compartilha dele com ousadia em todas as esferas dasociedade. Mas, infelizmente, desta visão incorreta que os novos convertidos encontram, decorrem outros erros, eles acabam deixando de praticar também, no seu dia a dia todos os outros princípios citados acima como práticas necessárias para o desenvolvimento de uma igreja saudável, que cumpre a vontade de Deus e assim glorifica a Ele. E em consequência disso, surge a cada dia uma igreja mais fraca e distanciada dos verdadeiros princípios de Cristo, os quais Ele mesmo já mostrou para a sua Igreja por meio dos escritos dos seus servos, os quais foram inspirados pelo Espírito Santo para nos isntruir com a Sua Verdade e nos transmitir o que Ele mesmo ensinou e viveu enquanto esteve aqui para que isto nos fosse por norte em nossa caminhada cristã, para que aprendêssemos a viver o Evangelho Integral, e não um Evangelho fragmentado.

Olhemos para onde caímos, e voltemos ao primeiro amor!

Não podemos continuar ignorando todas estas verdades. Precisamos, eu, você e a Igreja enquanto Instituição Religiosa, vivenciarmos o Amor de Deus em toda a sua abrangência, e, como disse Jesus: 
"Nisto reconhecerão que sois meus discípulos" (Jo 13.35)