sábado, 17 de março de 2012

A Ele a glória

"Convém que ele cresça e que eu diminua." (Jo 3.30)
 
Ficamos estarrecidos ao observar em nossos dias o quanto, cada vez mais o homem, em sua sede por auto-afirmação diante das pessoas que o cercam, se torna uma presa fácil da ambição e da soberba. Falo isso, em todos os âmbitos da sociedade, e os que estão dentro de igrejas evangélicas estão tão vulneráveis quanto aqueles. A sede do homem por reconhecimento, fama, aplausos, destaque é muito perigosa; pois o leva a se esquecer de dar a glória a quem ela pertence. E ainda há casos em que o indivíduo não deseja tais honrarias humanas, mas a velha natureza, ainda presente nas pessoas, a qual tem necessidade de ídolos, teima em exaltar o homem ao invés do dono da glória. 

Vemos casos parecidos com esta situação na Bíblia Sagrada; Moisés, por exemplo, quando convocado para aquela grande obra relutou a princípio, mas depois se entregou  totalmente à Vontade de Deus. Por causa da obediência de Moisés ao chamado de Deus, mesmo sendo conhecedor de suas limitações;  devido à sua história e importância para a trajetória de Israel; quando lemos que, por ferir a rocha ao invés de falar à mesma, deixou de entrar em Canaã (Dt 32.48-52) sentimos, na maioria das vezes certa revolta, e indagamos: "Como pode, um homem tão usado por Deus na hora H de usufruir do fruto do seu trabalho, Deus o impede de entrar na terra só por causa desta sua única falha, em se tratando da rocha?" Porém, a questão ali, não foi simplesmente o fato de ele desobedecer quanto à rocha, mas as implicações desta atitude  diante do povo que fora conclamado dia a dia a santificar-se ao Senhor. O povo poderia pensar: "Deus disse de um jeito, Ele fez de outro jeito "parecido", o resultado foi o mesmo "a água brotou", e ficou tudo bem; afinal de contas, Moisés fez muito para Deus, então Deus deixou isso pra lá." Esta idéia denota um Deus cujos preceitos não têm valor algum, aos quais podemos manipular por nossos méritos humanos, e isto não procede. Não importa a motivação de Moisés para a sua atitude; se o estado de nervos em que o povo muitas vezes o deixava por ser rebelde diante de Deus; a questão é que Ele, desobedecendo, não seguindo à risca a orientação do Senhor, deixou de santificá-lo no meio dos filhos de Israel, como Deus mesmo o relembra no v. 51. Moisés, não entrou na Canaã temporal, mas morreu na promessa da Canaã Celestial, a qual também esperamos, onde nos encontraremos. Na verdade, quando admiramos muito uma pessoa, seja um cantor gospel, seja um Pastor, temos a tendência humana de dar glórias à pessoa e não Àquele que se utiliza de um mero instrumento para a Sua glória; e o Senhor já  havia falado: "A minha glória a outrem não darei [...]" (Is 42.8). 
Não podemos perder de vista qual é a nossa tarefa, como servos de Deus: glórificá-lo e gozá-lo eternamente. Porém, quando o desobedecemos, querendo dar ao homem a glória que pertence exclusivamente a Deus, erramos o alvo. Sobre Moisés, precisamos reconhecer quem realmente havia efetuado todas aquelas obras diante do povo e pelo povo: DEUS! Dar glória a homens em detrimento de direcioná-la ao Verdadeiro Autor de cada dom e talento é pura usurpação e futilidade.

Já estamos saturados da visão teológica que muitos levam aos púlpitos e, consequentemente, aos bancos das igrejas; na qual as pessoas vão às igrejas onde encontram mensagens e hinos do tipo: "Você vai sair do anonimato"; "As pessoas vão começar a te dar o valor que você merece"; "Quem vem para Jesus, a partir daí só terá sucesso em todas as áreas."; "Receba hoje as "3 unções de Davi""; "Se você estava desempregado, vai ter emprego; se estava falido, vai ficar rico"; "Quem te viu sofrer e te humilhou vai ter que te aplaudir"; é a era do afago do ego. E as pessoas estão desesperadamente querendo isto, é uma busca insana por auto-ajuda, e muitas vezes, é somente isso mesmo que elas têm encontrado em muitos púlpitos. Temos valor para Deus? Claro. Só não podemos achar que este fato nos dá o direito de o desobedecermos sem que venham as consequências dos nossos erros, por mais que tenhamos o servido fielmente por longos anos, o fato é que pecamos contra Ele e deixamos de santificá-lo diante das pessoas. A nossa vida deve redundar, em todos os aspectos, para a glória de Deus (I Co 10.31), se o que estivermos produzindo "para o Reino", não levaas pessoas a glorificarem ao dono da Obra, então, precisamos repensar nossa postura. Deus se agrada dos humildes, mas abate os exaltados.
"Convém que ele cresça e que eu diminua." João verdadeiramente entendeu qual era a sua incumbência: anunciar o Messias e direcionar toda a glória pra Ele, e fez questão de tornar seu propósito conhecido de todos! O Senhor Jesus nos ensinou a não colocarmos nas regalias deste mundo o nosso coração, nem riquezas, nem conforto, nem glória humana (Mt 6.32; Lc 22.26) Às vezes estamos nos enganando, dizendo a nós mesmos: "Eu mereço "tal" bênção"; "Eu batalhei, por isso, mereço as ovações de todos"; porém, na verdade, nós só merecíamos uma coisa: a ira de Deus. Todavia, Deus quis olhar para nós com misericórdia e aprouve a Ele nos chamar para o Seu Reino de Luz, mediante o sacrifício do Seu Unigênito na eternidade.

O nosso maior esforço não deve estar na busca de reconhecimento humano, nem em estar em uma situação tão boa que venha fazer com que outros sejam subjugados por nós, antes, devemos desejar intensamente glorificar a Deus com o nosso viver e levar os outros a fazerem o mesmo, pois Ele é digno! "Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém!"

Nenhum comentário: