domingo, 16 de dezembro de 2012

Machismo e Feminismo: O estrago que causam no casamento

Ana Chagas

Texo base: Efésios 5.22-33



Às vezes presenciamos casos em que o machismo , ou até mesmo o feminismo estão reinando dentro do relacionamento conjugal  causando muito estrago dentro dos lares. 
Há pessoas que agem de determinada forma sob a influência de todo um sistema onde o que tem regido o comportamento das pessoas não é a vontade de Deus e seus preceitos estabelecidos para que pudessem ser felizes e fazer o seu cônjuge também feliz, antes, o que dita o padrão é  apenas o afã de atingir metas pessoasis em detrimento da felicidade da família. Uma família feliz é aquela que vive dentro dos padrões divinos de relacionamento. O texto de Efésios 5.22-23, nos dá o espelho, no qual podemos olhar para dentro de nós e reavaliarmos nosso comportamento diante do que Deus nos orienta por meio de sua Palavra.
Muitos homens confundem autoridade com poder ou opressão. Exercer autoridade sobre a esposa e família não significa usar de poder sobre eles. O Machismo é um exercício de poder e não de autoridade; assim como o Feminismo também é doentio, pois rejeita o ensino bíblico acerca do papel da mulher no casamento. 
O grito do Feminismo é que a mulher não precisa do homem para nada, que ela pode exercer o papel de cabeça do lar frente ao seu esposo só porque ela trabalha fora e talvez ganhe um salário maior que o dele. O problema não é ela ter ou não oportunidades de exercer diversas profissões. Não. Claro que é  importante trabalharmos, desde que isso não comprometa o tempo de qualidade que reservamos de forma sagrada para com o esposo e filhos, o que muitas vezes, infelizmente, acaba sendo sacrificado. A mulher retratada em Provérbios 31.10-31 é uma mulher que trabalha; que é empreendedora, mas que também utiliza seus recursos para estender a mão ao aflito; e ainda, procede de tal forma que seu esposo e seus filhos a elogiam. Ser feminina não é ser feminista. A mulher deve valorizar a sua feminilidade e até zelar para que no decorrer do tempo esta não fique ofuscada; mas também deve ter cuidado para que o Feminismo não encontre morada no seu coração. 
Uma família precisa de um equilíbrio para manter-se firme, e o segredo deste equilíbrio está na Bíblia. O Machismo demonstra uma procura por compensar a insegurança com relação à autoridade. Muitos por estarem equivocados em sua concepção acerca da autoridade, têm trazido prejuízos bárbaros dentro de suas família, quando  não a destroem por causa da violência. Os dados acerca da violência doméstica e nosso País são horrendos e crescem a cada dia; e este diagnóstico precisa ser revertido!
Exercer liderança não significa oprimir nem desprezar, até porque, a Bíblia diz em Efésios 5.22-33 que o marido deve amar a sua esposa assim como Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela; Paulo fala de um amor sacrificial, a ponto de doar-se pela felicidade da esposa. Mas o interessante é que muitos homens só querem lembrar a parte que fala da submissão porque envolve apenas a mulher; e há mulheres que só concordam em ser submissas se sentirem que são perfeitamente amadas. E isso tem causado grandes problemas. A submissão de fato é uma ordenança para a mulher no casamento, ela deve ser cumprida em obediência a Deus, ainda que o seu marido não demonstre o amor sacrificial esperado. Da mesma forma, o homem deve amar da mesma forma que Cristo amou a igreja, ainda que a esposa não esteja cumprindo com a parte dela em ser submissa, pois a ordenança é divina.
Estas palavras podem até soar muito desagradáveis, porém, é a verdade bíblica. Cristo disse que se quisermos de fato seguí-lo, precisamos negar-nos a nós mesmos, e os deveres dos cônjuges um para com o outro, antes de qualquer outra coisa, consiste em obediência a Deus.

Ame o seu cônjuge e ore por ele!
 

domingo, 21 de outubro de 2012

O pecado da homossexualidade

Ana Chagas
A homossexualiadade é apenas uma falha genética?
Assista este vídeo e em seguida leia o que tenho a dizer acerca dele, à luz da Bíblia:

http://www.youtube.com/watch?v=Gn0R-gb9SMc&feature=colike



Embora os argumentos científicos pareçam convincentes àqueles que supervalorizam apenas a razão e a Ciência; eu prefiro continuar colocando acima de quaisquer opiniões, a Verdade absoluta da Palavra de Deus, pois minhas conclusões são baseadas, em primeiro lugar na Revelação inspirada, rejeitada por todos estes que tentam explicar seus desvios pecaminosos apenas sob o norte científico. Além disso, os exemplos dados acerca de animais irracionais não se podem comparar ao que acontece com o ser humano, o qual tem um grande diferencial, porque não dizer, dois:
1) Ele é à imagem e semelhança de Deus, embora muitos que estão mortos em seus pecados a tenham de forma ofuscada, mas a têm; ele tem um espírito, o qual prestará contas a Deus por tudo quanto viveu aqui, se suas obras foram boas ou más (Mt 16.27).
2) Somos racionais, Deus nos dotou de plena consciência e de um senso comum acerca da verdade de que há um ser soberano que nos criou ao qual devemos obediência, mesmo que não lhe obedeçamos. Não somos meros animais que são guiados meramente pelo instinto, mas somos racionais também; sabemos muito bem o que estamos fazendo, embora pareça ser muito bom, mas este senso nos traz à memória de que algo está errado; então vem todo o sistema que tem sido treinado para justificar o pecado da humanidade e seus erros absurdos contra a santidade de Deus e fazer com que o homem, ao invés de arrepender-se de seus erros, passe agora a culpar o próprio Deus por tê-los criado assim ou assado.

A Bíblia diz que Deus, ao criar a natureza disse que era bom; mas ao criar o homem com suas próprias mãos disse que era MUITO BOM. Tudo Ele fez perfeito; porém o homem pecou e caiu; devido esta queda o homem, desde a época de Adão, foge da presença de Deus e busca desculpas para o seu pecado (Gn 3.12-13). Após a queda no Édem, todos os homens (homem ou mulher) passaram a estar mortos em seus pecados, ou seja, não há vida espiritual neles, Deus os entregou à uma disposição mental para a prática do pecado, ou seja, enquanto estão na morte espiritual, vão de mal a pior, pois estes só desejam o que agrada a sua carne pecaminosa (Leiam Romanos 1.18-26). O problema é que alguns utilizam este texto de Paulo para dizer que Deus mesmo trouxe ao homem esta disposição para a homossexualidade, isolando apenas este pecado no texto. Esta referência diz o seguinte: "[...] Pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando a criatura no lugar do criador, o qual é bendito eternamente, amém! Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contato natural da mulher; se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro." A questão é que se esquecem de que não podem isolar apenas os versículos 24 a 26, mas devemos continuar a leitura nos versículos seguintes, onde fica bem claro que, não apenas este pecado, mas também todos os outros que são listados foram e são consequência da desobediência, da rebeldia do ser humano, da sua resposta negativa a Deus mesmo mediante tão grande revelação, que foi a vinda do seu Filho. O versículo 28 diz que, “Por haverem desprezado o conhecimento de Deus, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem coisas inconvenientes,  cheios de toda injustiça, malícia,avareza e maldade; possuídos de inveja, homicídio, contenda, dolo e malignidade; sendo difamadores, caluniadores, aborrecidos de Deus, insolentes, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais, insensatos, pérfidos, sem afeição natural e sem misericórdia. Ora, conhecendo eles a sentença de Deus, de que, são passíveis de morte (morte espiritual eterna- distantes de Deus eternamente) os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que assim procedem." (Rm 1.28-32) Observemos o que diz o texto:
1) A consequência da desobediência a Deus e rejeição à sua revelação (Cristo) os homens em geral passaram a estar predispostos a todo tipo de imundícia, inclusive a homossexualidade.
2) Deus não "colocou" o pecado no homem; o homem fez esta escolha em Adão, quando, enganados pela serpente, desejaram ter o mesmo conhecimento que Deus tinha, iludidos pela ideia atrativa do que aquele fruto lhes traria consumaram a desobediência; pois tinham consciência da ordem explícita de Deus havia dito: "De todos os frutos comereis, menos deste." (Gn 3.3);
3) O homem permanecerá sob o domínio do pecado, seja ele qual for, a não ser que seja alcançado por Deus e receba uma nova vida em Cristo.
Se este pecado da homossexualidade ainda o domina, ele, de fato, ainda não nasceu de novo em Cristo. Porém, se ele foi justificado por Cristo por meio da justificação (2 Coríntios 5.17) ele pode até viver em constante guerra contra esta tendência, pois ainda está no corpo desta carne pecaminosa; mas, em Cristo, e cheio do Espírito Santo, o qual nos religa a Deus no ato da regeneração, ele poderá suportar, poderá vencer esta tendência dia após dia, tendo a cada dia uma vitória, para a glória de Deus. Pois no momento em que fazemos morrer a nossa carne neste processo de santificação, obtemos renovo da parte de Deus, o qual diz: "Não veio sobre vós tentação alguma que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar.” (1 aos Coríntios 10.13) E ainda diz: "Continue o injusto fazendo injustiça, continue o imundo ainda sendo imundo; o justo continue na prática da justiça, e o santo continue a santificar-se." (Apocalipse 22.11- falando do final de todas as coisas- da segunda vinda de Cristo).
Estes argumentos de que a pessoa pode nascer com a tendência pode ter base bíblica no sentido do texto que citei de Romanos 1, de que o ser humano já nasce contaminado pelo pecado original e que, por isso, está propenso a desenvolver todo e qualquer tipo de desvio moral, ou seja, quaisquer tipo de pecado, pois é no coração do homem que se gera o pecado, ele o traz à tona ou não, é uma questão que ele tem que responder: Quem é o seu Senhor? Quem é que o domina? É o Pecado? Ou é Deus, por meio do conhecimento e prática da sua Palavra e seus ensinamentos que, se somos de fato dele, nos trarão vida? Jesus nos diz: "Ninguém pode servir a dois senhores [...] Não podeis servir a Deus e às riquezas." (Mt 6.24) Baseado no que Jesus falou, a pergunta é: Qual tem sido a nossa riqueza? O que tem tido lugar principal em nosso coração? É o nosso desejo carnal que tem que ser satisfeito a todo custo, por breves momentos e que podem me levar ao inferno; ou é o Senhor Jesus, que nos convida a morrer a cada dia e ao final, estar com ele eternamente?
A questão não é se a homossexualidade é mais além de uma simples opção, mas sim, que o permanecer no pecado foi a opção que o homem escolheu ao rejeitar a Deus e a tudo que se refere a Deus, está escrito no texto de Romanos que citei acima. E o homem ou mulher que está caído, sob o domínio deste pecado especificamente ou de outros pecados citados no texto só ocorrerá mediante a regeneração. Ele ou ela estarão livres do domínio do pecado, embora, ainda estejam na presença deste pecado, ou seja, sendo tentados por ele todos os dias, até que Cristo venha ou que venham a dormir em Cristo.
Peço a Deus que alcance todos os pecadores que ele tem escolhido para o seu rebanho, sejam eles homossexuais ou que estejam escravizados por tantos outros pecados, e os liberte do poder do pecado, o qual faz os que praticam e os que aprovam estas práticas a buscarem cada dia mais desculpas para os seus erros. Deus nos abençoe!

sábado, 20 de outubro de 2012

A falta de perdão e o crescimento dos desigrejados

Ana Chagas


"Olhando firmemente para o Autor e Consumador da nossa fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra de Deus." (Hebreus 12.2)

 Deus nos convoca para prosseguirmos, olhando para Ele, rumo à perfeição plena que só ocorrerá na glória, buscando a perfeição dentro de nossa limitação, mas com todas as nossas forças para agradar ao Senhor como servos salvos da sua ira; mas devemos fazer isso em meio à imperfeição. Os que param no caminho olhando para as pessoas é que saem no prejuízo.

Muitos por aí se isolam em mosteiros em busca de perfeição, mas o caminho é interagir, é brilhar onde quer que estejamos não nos isolarmos das outras pessoas. Não sabemos quem é salvo, ninguém traz isso escrito na testa, cabe ao Senhor fazer esta distinção no final de todas as coisas aqui. Devemos ser luz em casa, na igreja, no trabalho, na escola, por onde quer que andarmos. Talvez seja mais difícil brilhar em dois lugares, em casa, onde todos nos conhecem como realmente somos, e na igreja, onde muitas vezes sabemos que não somos perfeitos mas queremos exigir dos outros total perfeição; só em fazermos esta exigência,já deixamos de brilhar como deveríamos. Devemos ser bênção, ajudando os outros ao nosso redor a crescerem na graça e no conhecimento de Deus, edificando-nos uns aos outros como manda a Palavra de Deus. Mas como isso é difícil... Alguém já disse que há pessoas que deveriam se mudar para a igreja, pois lá elas são crentes de verdade. Mas lembrando do que acabamos de falar, às vezes as pessoas estão apenas com máscaras de santidade, e no seu interior cheio de rancor, falta de perdão para o irmão que falhou consigo, mas, aos olhos humanos está perfeito, não poderia estar melhor. Tenhamos cuidado com a hipocrisia, Deus sonda o coração do homem, e sabe da intenção de cada um. Queremos que a igreja seja perfeita? Busquemos nós mesmos ser a igreja perfeita de Cristo, e se cada um de nós tiver isso como propósito, como as coisas poderão ser diferentes!

Não sei como Deus encara a situação de um crente que sai de uma igreja aborrecido com outras pessoas e abre uma nova igreja e diz que foi Deus que mandou. Simplesmente penso que Deus não abençoa algo que Ele mesmo não ordenou que fosse de fato feito. Os argumentos humanos não satisfazem a Deus, pois Ele sonda cada coração. Se há falta de perdão, este irmão está em pecado, e precisa urgentemente se retratar com Deus e com o irmãos, ou com os irmãos. Quantos têm abandonado suas igrejas por causa de seu próprio pecado e não pelo pecado dos outros, que são, na verdade, apenas a causa secundária de sua revolta. Uma coisa é o que os homens vêem e outra coisa é o que Deus vê. 

Com Deus não se brinca, diz a Bíblia. Sejamos de fato cristãos, confessando, perdoando, sendo mais tolerantes para com os mais fracos, admoestando-lhes em amor, cheios da graça de Deus que não acrescenta dores. Cresce cada vez mais o número dos chamados "desigrejados", mas, reflitamos, essa atitude agrada a Deus? Deus nos chamou em primeiro lugar para sermos sua igreja, propriedade particular, povo exclusivo seu, a sua igreja invisível; porém, a igreja foi instituída para que ali nos reunamos e nos edifiquemos uns aos outros sob a ação do Espírito Santo que nos foi outorgado para o crescimento da igreja, para o fortalecimento nosso e dos nossos irmãos. Por mais que a tecnologia nos ofereça um menu bem diversificado de teologias e cultos ao vivo ou pregações em áudio, nada substitui o aconchego da comunidade igreja, onde mutuamente somos instruídos e edificados; onde podemos exercer aquilo que aprendemos e somos mais desafiados a isso nas interações, nos relacionamentos, aprendendo a amar, respeitar, perdoar, exatamente no meio em que se pressupõe que todos têm que ser tão perfeitos. Isso, de fato é um grande desafio que nos está proposto. 
E então? Vamos fugir dele por causa dos nossos caprichos e do nosso orgulho ferido? Neguemo-nos a nós mesmos, crucifiquemos o nosso Ego, e vivamos de fato para Deus.
 

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Lições que aprendemos com a vida de Jó

Ana Chagas

 "Eu te conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos te  vêem." (Jó 42.5)

Quantos de nós, ao passar por tribulações já não ouviu alguém acusar: "Você só está passando por isso porque está em pecado, ou seja, em desobediência". Ou ainda: " Você ainda está assim por falta de fé."? Jó passou por situação parecida, e com muito mais intensidade do que nós, certamente. 
Geralmente as pessoas, ao lembrarem ou citarem Jó, só se referem à sua paciência, mas é necessário observar aí, não apenas as características e reações humanas, mas também algo maravilhoso que se revela neste livro: Os eternos e perfeitos atributos de Deus que se destacam em todo o decorrer da trajetória de Jó e seu desfecho. Deus reina eternamente absoluto, e em momento algum perde o controle da situação, mas exerce soberania mesmo em meio à angústia de Jó.

Gostaria de compartilhar algumas lições que podemos extrair da narrativa da vida de Jó:

1- Deus vê em Jó um homem crente, temente a Ele, reto, íntegro, se desviava do mal (Jó 1.1, 5, 8, 20-22; 2.3, 9,10). Não resta dúvidas acerca da vida íntegra que Jó buscava viver para agradar a Deus. Não falo aqui de uma busca acirrada por viver uma vida moralmente correta apenas para manter uma reputação diante dos homens e engrandecimento do nome do homem e de sua família, mas falo de um homem que buscava agradar unica e exclusivamente a Deus com a sua vida e com a vida de sua família, pois ele vivia e os criava no temor do Senhor.

2- Ao contrário do que alguns têm ensinado por aí, Deus permite sim o sofrimento do crente mesmo que ele não esteja necessariamente "em pecado" (Jó 2. 3). Estar em pecado significa estar pecando deliberadamente, consciente de que está pecando e, ainda assim, permanecendo sem arrepender-se e sem confessar seu pecado diante de Deus; o que não estava acontecendo com Jó, pelo contrário, o próprio Deus deu bom testemunho acerca de Jó: "viste meu servo Jó? Homem íntegro e reto, temente a Deus e que se desvia do mal." (Jó 1.8). 

(Embora todos ainda permaneçamos no corpo desta carne pecaminosa contaminada lá no Édem após a desobediência,  os salvos já não estão mais sob o domínio do pecado, pois o seu espírito já está justificado eternamente por meio da morte expiatória/vicária de Cristo, a qual alcançou tanto os que morreram na promessa quanto todos nós que seríamos acrescentados até a volta do Senhor, e isso inclui o nosso irmão Jó). 
Porém, também há casos em que, de fato, o crente passa por dificuldades por causa de seus pecados, ou seja, é a lei da semeadura: "Aquilo que o homem semear, isto também ceifará." (Gl 6.7).

3- Deus permite que o inimigo nos toque, porém, de forma limitada (Jó 1.9, 12; 2.6) Embora Deus permita que o inimigo nos toque, Ele permanece plenamente soberano, pois o inimigo de nossas almas só pode ir até onde o Senhor lhe permite. Por isso podemos lembrar aqui das palavras do Apóstolo Paulo quando diz: "Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças, pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar." (1 Co 10.13). Quando passamos por provações, por exemplo, na área das finanças, somos tentados à desonestidade, ao famoso "jeitinho brasileiro"; a tirar o dinheiro de coisas essenciais para jogar ou fazer apostas, e isso sob o falso argumento de Satanás e da própria mente humana: "todos fazem isso... Por que não eu?". 
Se estamos passando por dificuldades no relacionamento conjugal, a primeira tentação que surge é: "Lá fora tem alguém que pode me satisfazer perfeitamente, por que tenho que aguentar isso?" ou ainda surge diante de você uma pessoa enviada como um prato daqueles bem decorados, com tudo que tem direito, que só de olhar você já está pecando. É neste momento que precisamos lembrar que Jó teve muitas oportunidades de pecar contra Deus, de blasfemar, de amaldiçoar ao Senhor, de tirar sua própria vida em meio a tanta provação, dor, desprezo (Jó 1.13-22; 2.7-10); porém, Jó sabia em quem cria: "Porque eu sei que o meu redentor vive e por fim se levantará sobre a terra." (Jó 19.25) e se abrigou em Deus para não pecar contra Ele. Como eu e você podemos nos abrigar em Deus para não pecar contra Ele? Mantendo constante vida de oração e leitura de sua Santa palavra- a Bíblia e aplicando-a no nosso cotidiano.

4- Por meio da provação, Deus nos molda para a glória do seu Nome. Jó reconheceu esse fato: "Mas Ele sabe o meu caminho; se Ele me provasse, sairia eu como ouro." (Jó 23.10). Sabe qual é o tempo em que o crente se torna mais quebrantado na presença de Deus? É quando ele está na prova, sendo moldado nas mãos do oleiro, dói aqui, dói ali, mas o resultado será o engrandecimento da glória de Deus. Alguém já indagou: "Que Deus é esse que permite o sofrimento do homem para a sua glória? Não seria presunçoso e manipulador?" Eu compreendo que, se Deus deseja que vivamos para a sua glória, como o Apóstolo Pedro diz: "[...] Ele nos chamou para a sua própria glória e virtude." (1 Pe 1.3), precisamos glorificá-lo, não apenas nas situações cotidianas de momentos de calmaria, mas, principalmente, aprendermos a glorificá-lo também em meio ao sofrimento; não é que só o faremos em meio ao sofrimento, mas que, conseguiremos entender que, mesmo em meio a estes momentos, Deus continua sendo Deus, e portanto, digno de nossa adoração, e não de murmuração e revolta, como fazemos muitas vezes, desagradando ao Senhor e sendo reprovados. Queiramos ser aprovados; não clamemos para sair logo da crise, mas clamemos, primeiramente para que saiamos dela mais maduros na fé, mais sábios, mais quebrantados, mais adoradores, mais achegados ao Senhor e mais obedientes, para a glória do seu Nome, cumprindo assim o propósito para o qual fomos criados. Jó entendia que Deus permitiu porque tinha um propósito: que Jó saisse da prova como ouro. O ouro sofre até ficar puro, mas todo aquele processo é necessário.

5- A provação amplia a visão do crente acerca da Soberania de Deus e intensifica a sua vida de adoração a Ele (Jó 12; Jó 42.1-6) Foi exatamente em meio a tanta dor e sofrimento que Deus se apresentou a Jó. Diz a Palavra de Deus que Deus começa a mostrar a Jó o seu poder e sua autoridade sobre todas as coisas e que não há ninguém que o domine ou o impeça (Jó cap. 38 a 41). Jó declara a soberania de Deus exatamente em meio às provações, e não somente após sair delas (Jó 23.13-17). Ainda em meio à dor, Jó reconhece o quão pouco conhecia de Deus antes daquela fase tão difícil (Jó 42.1-6)

6- Deus derruba a Teologia da prosperidade por terra através da história de Jó (Jó 42.10)

  • Deus não estabeleceu que o mesmo desfecho que teve a história de Jó seria um padrão para o desfecho da história de todos os crentes. Temos vários exemplos de desfechos bem diferentes na vida de homens e mulheres que serviram a Deus até o fim, dando fiel testemunho da fé cristã, e que, por Fé tiveram sua vitória, que muitos dos que pregam a teologia da prosperidade hoje talvez não a considerem como vitória, pois o que Deus permitiu que tivessem no final das suas vidas pela fé foi morte ao fio de espada, perseguição, escárnios, açoites, algemas, prisões, apedrejamentos, provações, torturas, serrados ao meio, mortos a fio da espada, necessidades, aflições, maltratos (Hebreus 11.36-40-leia também todo o cap. 11). Destes homens e mulheres, diz a Bíblia: "(homens dos quais o mundo não era digno) [...] Ora, todos estes que obtiveram bom testemunho por sua fé não obtiveram, contudo, a concretização da promessa, por haver Deus provido coisa superior a nosso respeito, para que eles, sem nós, não fossem aperfeiçoados." (Hb 11.39-40). (Fala da redenção que abrangerá todos os salvos de todas as épocas na glorificação plena do Senhor Jesus, na sua segunda vinda). Observemos que o autor da carta aos Hebreus deixa bem claro que aquilo de superior que Deus tem reservado para nós não se trata de nada que possamos possuir aqui, mas naquilo que temos na eternidade com Deus e que já começamos a desrutar aqui a partir do momento em que somos selados por Deus-Espírito Santo no ato da regeneração. O desfecho que aqueles crentes tiveram em suas vidas não o tiveram porque Deus teria se esquecido deles, ou porque Deus não teria podido livrá-los, ou porque aqueles irmãos estavam em pecado ou mesmo incrédulos, mas por permissão de Deus em sua soberania. Vemos aqui que a questão da prosperidade do crente tem sido distorcida pelos adeptos da Teologia da prosperidade, pois eles são capitalistas, triunfalistas e imediatistas, quando deveriam pregar a prosperidade espiritual como prioridade, e entender que a prosperidade material é secundária, e recebida de Deus se Ele quiser dar, e que, se Ele não quiser dar, continua sendo digno de adoração, e que nós não somos senhores de Deus, mas seus amigos e seus servos, submissos à sua vontade, seja ela qual for. Jó compreendia isso, por isso disse com sinceridade de coração: "Deus me deu, Deus tomou. Louvado seja o nome do Senhor." (Jó 1.21).
  • Deus é poderoso para fazer como fez com Jó lhe dando tudo em dobro na vida de quem Ele quiser, como Ele desejar, seja este crente ou não crente; pois tudo pertence ao Senhor para distribuir como quiser, assim é a graça comum; pessoas que não vivem uma vida dedicada a Deus também recebem dons e talentos, o que dizer de cantores famosos de vozes maravilhosas, de músicos talentosos, de artistas plásticos que se destacam, designers que fazem trabalhos maravilhosos, escritores e poetas maravilhosos, ou de empresários que são ótimos administradores, quando há crentes que não sabem administrar bem, ou mesmo não conseguem cantar bem, mesmo sendo crentes? Deus permite que tenham,porém estas coisas não têm em si efeito salvífico, Deus apenas lhes concedeu para que usufruíssem.
  • Deus não está limitado a determinações humanas, nem na área financeira (dando sucesso a todo mundo que ofertar a determinado ministério, e porque aquele líder religioso orou e "determinou" a sua vitória, nem na área da salvação (sendo obrigado a salvar toda a família de quem "semear" com a oferta de determinado valor previamente estipulado). Deus age soberanamente em todas as áreas da nossa vida: "No céu está o nosso Deus e tudo faz como lhe apraz." (Salmo 115. 3).
7- Em meio à tribulação Deus gera em nós perseverança, fé e louvor (Jó 42.1,5,6)- Lendo outros textos para corroborar com o que houve na vida de Jó, encontramos que a tribulação gera a perseverança (Rm 5.3-5); que a tribulação gera fé, glória e honra para Deus (1 Pe 1.6-7)

Louvemos a Deus mesmo em meio às tribulações e entendamos que Ele é soberano, que Ele reina eternamente, que todas as coisas estão sujeitas à sua vontade. E não nos esqueçamos que em tudo quanto Ele nos permite passar, há um propósito; que enquanto estamos sendo moldados por Ele, estamos tendo a nossa visão ampliada quanto à sua glória e temos a oportunidade de crescer mais, de amadurecermos espiritualmente.

Aprendamos com a história de Jó.



domingo, 19 de agosto de 2012

Como está a sua saúde?

Ana Chagas
 
Um famoso site que destaca as grandes descobertas científicas acerca do homem e do universo enviou para mim esta semana, via newsletter, um Artigo muito interessante que tinha como título: “Honestidade pode fazer bem à saúde”. Realmente, este é um tema relevante para os nossos dias, pois vivemos em uma sociedade, principalmente no Brasil, em que vale tudo para se dar bem, em que aquele famoso “jeitinho brasileiro” é extremamente valorizado; e que quem não faz isso é taxado de “boboca” , sociedade esta, em que a inofensiva mentirinha branca  “não tem nada de mais”; porque para grande parte destas pessoas “os fins justificam os meios”. Mas sabemos que não é bem por aí.
Algo interessante é que estudiosos dos EUA realizaram esta pesquisa com dois grupos, um ficou à vontade para mentir, o outro, fora instruído a que não mentisse, embora não terem sido fiéis ao combinado. Mas o que se notou ao final do estudo foi que o grupo que relatou ter mentido menos, ou quase nada, relatou também uma diminuição de incômodos físicos (tensão) e mentais (tristeza e apatia).
É sabido e comentado por muitas pessoas já há algum tempo que mágoas guardadas, perdão não liberado ao outro gera doenças graves e até mesmo fatais, na pior das hipóteses. Porém, o que considero interessante é que a Bíblia, um livro escrito há tantos anos, por homens inspirados por Deus no decorrer da história, já nos falava dos malefícios do pecado e dos benefícios de uma vida que condiz com os princípios divinos.Esta informação do site que recebi veio somente corroborar com o que já sabíamos a partir da Palavra de Deus.
Sabemos, entretanto, que a causa do sofrimento do homem, de modo geral, vem, não apenas a partir de um pecado cometido em nossa existência; mas já trazemos esta causa em nós desde a queda de Adão. Foi exatamente ali onde começamos a morrer. Em Adão, passamos a envelhecer, a adoecer e consequentemente, a morrer fisicamente, além do fato da morte espiritual já se cumprir em nós a partir daquele evento.  Isso mesmo! Estamos espiritualmente mortos, salvo quando somos alcançados por Cristo no decorrer da nossa existência; e, a partir deste evento maravilhoso, vivificados mediante sua morte vicária na cruz, podemos já desfrutar da salvação, embora ainda estando nesta natureza pecaminosa, podemos a partir daí, contar com a graciosa presença do Espírito Santo em nós, o qual é, como o próprio Jesus Cristo falou, o nosso “Guia”, ou seja, Ele é aquele que nos guia em direção à comunhão cada vez maior com Deus, até a nossa redenção, onde não haverá mais deficiência alguma, antes estaremos livres da presença do pecado, e poderemos, finalmente, servir a Ele em perfeição. É o Espírito Santo quem nos alerta acerca de nossos erros, quem nos dá condições de discernir qual seja a vontade de Deus para nós. Quando estamos alienados de Deus e de tudo quanto se refere a Ele, este processo não ocorre. O que pode ocorrer é uma busca humana por uma vida afastada de coisas que consideram ruins para a sua reputação e para a reputação de sua família. Mas, quando buscamos viver uma vida de santificação para com Deus, a nossa motivação não estará centrada em nós mesmos, ou no que os outros pensarão de nós; mas, agora, o que mais nos interessa, é o que Deus pensa de nós quando seus olhos nos observam; a nossa motivação será a de agradar-lhe unicamente por uma razão: porque Ele é digno, e porque buscamos, após a vivificação, cumprir o propósito dEle em criar-nos: glorificá-lo.

É neste processo de santificação que entra o pecar ou não pecar, o mentir ou não mentir. O Artigo que citei no início salientava a questão da mentira e da desonestidade, eu, porém, estou indo mais além, à luz da Bíblia, mostrando que a questão do pecado é muito mais devastadora do que parece aos olhos de muita gente. 
Quando conhecemos a Bíblia, e cremos, e somos regenerados pelo Senhor, algo acontece em nós, ou pelo menos deve acontecer; do contrário, algo está errado; e esta mudança a partir do que conhecemos deve ser evidenciada a todos, não é algo a se guardar, a se esconder, mas a espalhar, como a luz que Jesus disse que deve ser colocada no lugar mais alto da casa para que assim, ilumine a todos (Mt 5.15-16). Jesus resume a Lei em dois mandamentos. Alguns dizem que ali Ele estava invalidando ou desprezando a Lei, mas isso não procede, pelo contrário, Jesus mostra que quando amamos a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos; a partir deste fato, conseguiremos, seremos capazes de cumprir os demais mandamentos de Deus; pois, se amo o meu próximo, logo não serei falso, não mentirei, não roubarei, não serei egoísta, não o invejarei, não o matarei, enfim. E, se de fato amarmos a Deus sobre todas as coisas, logo, haverá em nós um ardente desejo de jamais desagradá-lo; sendo assim, não adoraremos falsos deuses, estátuas que não têm vida, não envergonharemos o Seu Nome. Estes dois mandamentos nos atraem para o centro da vontade de Deus.

A Palavra de Deus traz trechos riquíssimos que nos revelam o quanto Deus deseja e nos instrui a fazermos o que é eticamente correto diante dEle e diante das outras pessoas. Analisemos alguns destes:

“Adquire sabedoria, adquire inteligência, e não te esqueças das palavras daminha boca. Ouve filho meu, e aceita as minhas palavras, e se multiplicarão os anos da tua vida [...] porque são vida para os que as acham, e saúde para todo seu corpo.” (Provérbios 4.5,10 e 22) Ou seja, Deus nos mostra que uma vida de obediência nos fará viver mais tempo;do contrário, os problemas acarretados pela prática constante do pecado da mentira, do ódio, etc. adoecem-nos e, provavelmente, teremos uma expectativa de vida menor. Um exemplo disso vemos em Efésios 6.1-3, quando Paulo diz: “Filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo; honra a teu pai e tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa; para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra.” Em suma, dificilmente você vê um filho que serviu fielmente a Deus e foi obediente a seus pais, sendo morto no meio das drogas e no tráfico; pois acabam indo parar lá justamente por não terem dado ouvidos a seus pais (isso quando seus pais temem e obedecem a Deus também, pois hoje, para a nossa tristeza, há pais que cometem a maldade de colocar drogas na boca de seus filhos ainda bebês).

“Não sejas sábio aos teus próprios olhos, teme ao Senhor e aparta-te do mal. Isto será saúde para o teu interior, e medula para os teus ossos.” (Provérbios 3.7-8). O Senhor nos alerta de que a soberba é um mal terrível na vida de uma pessoa. Não esqueçamos de que foi pela soberba que o diabo foi condenado: “[...] para não suceder que se ensoberbeça e incorra na condenação do diabo.” (1 Tm 3.6B), estas palavras do Apóstolo Paulo encontram referência em Isaías 14.12, que diz: “Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filho da alva! Como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações.” Tenhamos cuidado, pois é muito fácil cair nesta armadilha, e quando caímos, adoecemos por dentro e por fora. Estamos falando aqui da saúde do nosso corpo mortal; mas a coisa fica ainda mais séria quando começamos a pensar em tudo isso no âmbito eterno, pois a alma que o Senhor nos dá, esta é eterna, quer queiramos ou não, estaremos diante dele no dia final; e quer aceitemos crer ou não, a partir deste encontro, estaremos com Ele ou sem Ele para sempre. Isto é um fato urgente a se pensar.

“As palavras suaves são favos de mel, doces para a alma, e saúde para os ossos.” (Provérbios 16.24). “Há alguns que falam como que espada penetrante, mas a língua dos sábios é saúde.” (Provérbios 12.18). Há palavras suaves e palavras suaves. Há a palavra suave, mas cheia de falsidade; no entanto, a Bíblia se refere neste versículo às palavras cheias de sabedoria e prudência. A Palavra de Deus nos alerta de que não saia da nossa boca palavras torpes, mas, antes, palavras que venham a edificar aqueles que as ouvem (Efésios 4.29). Toda a palavra que dizemos que usa de má fé para com quem as ouve, com certeza, de alguma forma nos trará mal, pois temos algo que Deus nos concedeu chamado “consciência”, e, além disso, não estaremos acrescentando nada de positivo às outras pessoas, antes, estaremos enganando deliberadamente. O olho de Deus tudo vê, não podemos fugir da presença dele em momento algum (Salmo 139).
“O que prega a maldade cai no mal, mas o embaixador fiel é saúde.” (Provérbios 13.17). Quanto a este versículo podemos ficar bem atentos a pessoas que tem pregado um Evangelho diferente do Evangelho de Cristo; Evangelho este que tem levado multidões ao erro, e muitas vezes até ao pecado da idolatria a homens, ao dinheiro, a si mesmos, etc. A verdadeira saúde espiritual é ler a Bíblia e praticá-la, não apenas ouvir interpretações distorcidas e balançar a cabeça confirmando aquilo sem conferir na Palavra. Precisamos ser como aqueles cristãos de Beréia, que faziam isso até mesmo ao ouvir o Apóstolo Paulo (Atos 17.11).
Concluindo, podemos afirmar que todo tipo de pecado, ou seja, tudo aquilo que fere o Código da Santidade Deus, inevitavelmente trará prejuízos a quem comete e a quem é afligido pela mentira, pela falsidade, pela calúnia, pela trapaça, pela extorsão, pela exploração seja em que área esta possa ocorrer. E não apenas os pecados cometidos contra o nosso próximo nos adoecem física e mentalmente, mas também aqueles cometidos no nosso próprio corpo, como a prostituição, a fornicação, o adultério, que tanto é no corpo como contra o cônjuge, estes trazem consequências terríveis, difíceis de ser tratadas, pois acaba afetando muitos que estão diretamente ligados ao casal, como filhos e demais familiares. A Bíblia nos diz que o pecado cometido no corpo é uma afronta ao Espírito Santo, pois os que são regenerados passam a ser sua habitação, seu templo (1 Co 6.15-20; Rm 6; 2 Co 5.10).
Temos uma má notícia: O pecado já condenou o homem ao inferno, não há saída para o homem (Rm 3.23).
Temos uma boa notícia: Jesus morreu para que nEle pudéssemos ser reconciliados com o Pai e assim, podermos ser livres do poder do pecado aqui, e por fim, na eternidade, livres também da presença do pecado para sempre!
Leia com atenção este trecho das Escrituras Sagradas:
 
“Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação; Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação. De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamo-vos, pois, da parte de Cristo, que vos reconcilieis com Deus. Aquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus." (2 Coríntios 5:17-21).

Contudo, não quero aqui apregoar que crente não adoece, ou ainda, que crente não pode ter depressão, etc., como alguns fazem por aí. Não podemos nos esquecer de que há situações específicas em que o nosso Deus permite, em sua Soberania, que passemos por dores e tribulações, mesmo que não estejamos numa situação de pecado deliberados na ´presença dele; são situações que passamos e que não conseguimos compreender o "para quê", porém, mais tarde percebemos que foi para o nosso bem, para o nosso crescimento espiritual, como o exemplo de Jó e do Salmista (Jó 2. 7-8; 42.1-5; Sl 119.71). E, ao contrário do que muitos afirmam, um crente fiel pode adoecer, pode até mesmo morrer com graves enfermidades, se assim o Senhor permitiu, como por exemplo o caso do Profeta Eliseu (2 Rs 13.14), Timóteo (I Tm 5.23), Paulo também passou por dores que não sabemos definir o tipo e a intensidade, porém, presumimos que era terrível a sua situação, e por permissão divina (2 Co 12.7-9), não cabe a nós questionarmos ao Senhor quanto a estas questões, pois, na verdade, todos estamos sujeitos a adoecer, pois ainda estamos nesta carne, mas há casos em que o Senhor nos livra, nos cura, e até nos ressuscita, basta estar em sua Vontade fazê-lo; Ele se revela também como o Deus que faz a ferida e o mesmo que a faz sarar. A questão aqui é o fato de estas situações se agravarem em nós quando permanecemos em pecado deliberado contra Deus, sem arrependimento, sem confissão, sem fé, sem deixar e mudar de atitude; isso pode levar-nos a um estado terrível de enfermidade física, e já demonstra o estado lastimável em que estamos espiritualmente.

Deixemos, pois, a prática deliberada do pecado! Busquemos servir fielmente ao Senhor! Clamemos a Deus neste momento como clamou o rei Ezequias, que clamou por cura física, mas clamemos por cura física, mental e espiritual:

“Senhor, por estas coisas se vive, e em todas elas está a vida do meu espírito, portanto cura-me e faze-me viver. [...] Eis que foi para a minha paz que tive grande amargura, mas a ti agradou livrar a minha alma da cova da corrupção; porque lançaste para trás das tuas costas todos os meus pecados."(Isaías 38:16-17).

Queremos viver tendo menos dores, menos enfermidades? Rejeitemos, pois, tudo aquilo que trará mal a nós e ao nosso próximo, e abracemos tudo quanto agrada a Deus.

Deus nos abençoe!