sábado, 23 de abril de 2011

Morte e ressurreição de Jesus: Quais as suas implicações para a nossa vida?

Os anos vão e vêm e as pessoas comemoram como de praxe, religiosamente, a Semana chamada Santa; mas na maioria das vezes, essa comemoração não passa de dia de descanso, de passeios, de presentear ovos que dizem que é de coelho (nunca vi algo tão sem lógica) esquecendo do Cordeiro de Deus, para muitos também é dia de mesa farta (pelo menos para quem tem condições), de rever alguns filmes sobre a paixão de Cristo (diga-se de passagem que háalguns que distorcem a verdade bíblica); enfim, mas pouco se analisa acerca do sentido desta data, deste evento na história do mundo e da igreja. Falamos aqui de Jesus Cristo; daquele que marcou a história em antes de Cristo e depois de Cristo, daquele que marcou assim a minha vida e pode também marcar a sua!
Por essa razão, acho relevante trazer à nossa memória a morte e da ressurreição de Jesus Cristo e suas implicações na nossa vida. Se alguém ainda não experimenta estas implicações, precisa apropriar-se delas, por meio do principal personagem desta data tão comemorada:

Implicações da sua morte:

1. A nossa justificação (II Co 5.21)
  • Somos agora pecadores justificados, livres de qualquer acusação; lavados pelo sangue do Cordeiro imolado na cruz; ou seja, nada consta diante de Deus contra nós daquilo que havíamos praticado (; e, por causa do Cordeiro, agora podemos clamar a Deus se porventura venhamos cair em alguma tentação, certos de que nos ouvirá, pois temos junto ao Pai Advogado, o qual é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas pelos do mundo inteiro (I Jo 2.1-2; Rm 8.26-30; Cl 1.13-23, 2.8-15)

2. A nossa morte para nós mesmos, passando a viver para ELE (II Co 5.15).
  • A humilhação do nosso ego e o reino DELE implantado em nós (Mt 6.33; Ef 2. 1, 5, 8-10; Fp 1.21; 3.7).
3. A nossa transformação em nova criatura (II Co 5.17).
  • Recebemos DELE uma nova vida, na qual podemos viver de maneira diferente; deixando o passado para trás e corrigindo erros que estejam em nossa possibilidade de consertarmos, assim como foi com Zaqueu (Lc 19.8; Ef 5.8-9; Cl 3. 1-11).
  • Recebemos DELE condições de compreendermos as coisas espirituais; de olharmos para a vida com a mente de Cristo implantada em nós (Gl 2.20; Ef 5. 10, 15-18; Fp 2.15, 3.16)
Implicações da sua ressurreição:

1. Temos a prova do cumprimento das suas profecias acerca de si mesmo quanto à ressurreição (Mt 12.38-40)

Vemos aqui duas afirmações de Cristo:

1) Ele cita, confirma e autentica o Antigo Testamento como Palavra de Deus;

2) Ele mostra que, "assim como Jonas esteve por três dias no ventre do grande peixe, assim é mister que o Filho do homem fique por três dias no seio da terra e seja ressuscitado ao terceiro dia" (Lc 11. 29-30; Jn 3.4; Jo 16.16)

2. Temos agora conosco o Espírito Santo O Consolador (Jo 16.7)

  • Fomos selados para a salvação, vivemos uma vida de santificação, e somos impulsionados para a Pregação do Evangelho (Jo 16.7; At 1.8-9, 14-18; Rm 5.5).
3. Temos a certeza do iminente cumpimeto de outra Profecia de Jesus a seu respeito: A sua volta (Jo 14.1-3))
  • Ele afirmou que podemos crer que já estamos salvos se verdadeiramente estivermos NELE (Jo 5.24)
  • O Apóstolo Pedro menciona todas as profecias a respeito de Cristo (At 2.22-36)
  • Em Apocalipse ELE nos mostra, por meio da Visão que mostrou a João na Ilha de Patmos, como será a eternidade (Ap 21.1-8)

Sendo assim, temos mil razões para louvar ao Senhor por recebermos todas estas bênçãos espirituais que se estendem a todos os âmbitos da nossa vida!

Que a partir de agora, não apenas na semana chamada santa, mas em toods os dias em que vivermos venhamos glorificá-lo com os nossos lábios, mas mutio mais com o nosso viver, evidenciando assim, todas estas implicações que vimos neste estudo.

Que ELE continue nos abençoando!

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Quem é Jesus para você?

O meu Jesus não é aquele estampado em camisas e quadros; mas é aquele que quer estar como emblema no meu e no teu coração.

O meu Jesus não é aquele que estoura em vendas de camisas, botons, biscoitos, etc., mas e aquele que oferece pela sua graça e pelo seu sangue, de graça, a vida eterna para mim e para você.

O meu Jesus não é aquele que nasceu pobrezinho e até hoje o enxergam pobrezinho; mas é o Rei da glória, o Senhor dos Exércitos, o Rei dos Reis cujo reinado nunca haverá fim.

O meu Jesus não está pendurado na cruz; que muitos insistem em carregar pendurada no pescoço; mas é aquele que está bem vivo no céu.

O meu Jesus não é aquele que muitos olham para ele e choram de tão penalizados ao vê-lo sendo crucificado nos filmes da semana chamada Santa; mas é aquele que afirmou que tudo estava consumado; ou seja, que a nossa salvação já estava garantida; que se permitiu passar pela cruz, mesmo podendo descer dela, por ter o coração cheio de compaixão pelas almas dos seus eleitos.

O meu Jesus não é aquele que dizem que está em qualquer lugar onde se fala o seu nome; mas é aquele que está onde houverem dois ou três reunidos em seu nome, no sentido de continuar, de forma coletiva, o culto que já é a sua vida, tanto em palavra quanto em testemunho.
O meu Jesus não é aquele que aceita restos do meu nem de teu tempo e interesse, mas é aquele que requer primazia;

O meu Jesus não é aquele que muitos teimam em dizer que ainda está na tumba, mas é aquele que, cumprindo a sua promessa, ressuscitou, subiu ao Pai e a qualquer momento virá sobre as nuvens, com poder e grande glória!

E eu, quem somos nós? Servos rendidos a Ele sem reservas?

Busquemos viver uma vida verdadeiramente firmada nele, uma vida que não se resuma a datas comemorativas. Ele requer muito mais de mim e de você!

segunda-feira, 18 de abril de 2011

A verdadeira Religião


A Bíblia é a nossa única regra de fé e prática; é a Verdade que procede da boca de Deus. Devemos buscar nela as respostas para muitas das nossas indagações e utilizá-la como bússola para o nosso viver diário.
Há, porém, coisas que Deus quis revelar aos homens, e há mistérios que pertencem apenas a ELE, por isso, aquilo que não está revelado, não podemos acrescentar à nossa pregação; pois é assim que se constitui uma heresia. Tenhamos muito cuidado quando tratamos acerca da Palavra de Deus. Leia: Deuteronômio 29.29

COMO RECONHECER UMA HERESIA?

* Para reconhecermos uma heresia, é necessário, primeiramente, que tenhamos um amplo conhecimento da Palavra de Deus; pois, do contrário, não estaremos aptos a fazer tal julgamento (Mt 22.29b; Sl 119.11). Aquele que tem a "sua casa" edificada sobre a rocha-que é Cristo, nenhum vendaval a poderá derrubar. Isto significa que aquele que realmente tem intimidade com a Palavra de Deus, ao ouvir ou ler uma heresia, automaticamente a reconhecerá. Uma pessoa que tem conhecimento da Palavra,como disse o Apóstolo Paulo; não será levado de um lado para o outro por todo vento de doutrina (Ef 4.14-15; lembrando que os ventos de doutrina não estão apenas fora das paredes das igrejas,mas muitas vezes também dentro dela. muitos que se dizem cristãos, pastores evangélicos, estão subindo aos púlpitos levando palavras heréticas, que não comungam com a Palavra de Deus. Há muitos que tem enfatizado em suas pregações um Evangelho de prosperidade, de vida boa, sem cobrança alguma acerca de arrependimento, confissão e perdão; apenas pregando "Bênção e vitória". Mas nós entendemos que o Verdadeiro Evangelho é aquele que humilha o homem e exalta a Deus.O Verdeiro Evangelho é aquele que prega a Pura Verdade da Bíblia, sem omitir trechos onde ela mostra ao homem que a sua maior necessidade não é o dinheiro ou bens materiais que ele possa conquistar aqui neste mundo; mas a sua maior necessidade é o resgate da sua alma da morte e do inferno. Há outros que tem agregado na Liturgia dos seus "cultos a Deus", práticas que não condizem com a Santa Bíblia e que ferem a sua Verdade, como: levar para a igreja a roupa de um parente ou de outrem; pôr um lencinho no bolso para proteger-se,fitinha no pulso; caminho de sal grosso, documentos de Identidade, copo com água sobre a TV ou Rádio;enfim, práticas que vieram de antepassados por tradição. Estas práticas, digo isto sem titubear: mostram que é necessário quebrar as falsas tradições e voltarmos ao que é verdaderamente cristão; pois muitos estão trazendo para dentro da Igreja, rituais, os quais eram praticados no Espiritismo desde a antiguidade. Mas devemos atentar para o que a Bíblia nos narra acerca disto:(Mt 8.5-13; Hb 11.1;Jo 20.28)
No texto de Mateus, lemos a narração acerca do Centurião de Cafarnaum. Aquele homem deixara o seu criado doente, paralítico e atormentado. Porém, quando aquele homem chegou até Jesus e viu que Jesus estava interessado em abençoar-lhe, creu de tal forma, que disse não ser digno da visita de Jesus, mas que bastaria uma só Palavra da sua boca, e o seu servo ficaria são. Em Hebreus 11.1 lemos que a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não veem. A nossa fé não pode, de forma alguma estar baseada em coisas que podemos pegar e sentir que é algo material, que ocupa um lugar no espaço; mas deve estar firme em Deus. Pecisamos compreender que não é com coisas vãs que se consegue algo da parte de Deus, mas é exercendo a fé, seguida de obediência a Ele, que fará com que as suas ricas bênçãos nos acompanhem.

* É necessário ter uma vida de profunda comunhão com Deus; pois, sem a unção de Deus sobre as nossas vidas, em vão seria todo o nosso conhecimento; as coisas espirituais se discernem espiritualmente, e não apenas através do conhecimento (I Co 2.14; Hb 5.111-14).

COMO RECONHECER SE UMA SEITA QUE SE AUTODENOMINA RELIGIÃO É BASEADA EM HERESIA?

* Toda seita que, mesmo se autodenominando Religião que não é pautada na Verdade da Palavra de Deus e que é fundamentada sobre novas revelações que não estão pautadas pela Bíblia constitui uma falsa Religião; pois fere a verdade da Palavra de Deus.

COMO RECONHECER A VERDADEIRA RELIGIÃO?

* A verdadeira Religião é Baseada na Pura verdade da Boca de Deus- A Bíblia Sagrada, sem que esta tenha sido adulterada, isto é, modificada (Dt 4.2; Ap 22.18). É verdadeiramente seguidora da doutrina dos Apóstolos, sem se desviar segundo os seus próprios interesses ( Mt 15. 13-14; At 2.42-47).
Se alguém vier até nós pregando alguma doutrina, algum outro Evangelho que não seja da própria Bíblia, a qual contém 66 Livros: 39 no Antigo Testamento e 27 no Novo Testamento (Não entram nesta contagem, portanto, os Livros apócrifos- aqueles que não são reconhecidos como inspirados pelo próprio Deus) não poderemos dar ouvidos a esta pregação, pois com certeza estaremos dando ouvidos a heresias.

*A verdadeira Religião prega o verdadeiro Evangelho, mostrando o Evangelho que Cristo nos trouxe, quando diz: “Aquele que quer vir após mim, tome a cada dia a sua cruz e siga-me”. Muitos tem pregado por aí apenas um Evangelho que afirma que as pessoas vão parar de sofrer, quando Jesus nos diz que o Filho do Homem-ELE, não tinha nem sequer onde reclinar a cabeça. Lemos a história de homens que foram bênçãos nas mãos de Deus, no entanto, não tinham onde morar e morreram por enfermidade, como é o caso do Profeta Eliseu. O fato de eu prosperar ou não materialmente, está na mão de Deus, Ele é o dono de tudo e reparte como quer, com quem quer. Ele faz nascer o sol sobre os justos e também sobre os injustos.

Muitas vezes nos esquecemos que a prosperidade de uma pessoa não se resume à sua conta bancária "gorda", seus talões de cheque e a uma pilha de cartões de crédito que ostenta, a uma mansão, casa na praia, no campo, sei lá mais onde; mas, principalmente, a prosperidade está em sua vida espiritual. Uma pessoa pode até ter tudo aqui neste mundo, materialmente falando, mas, se não tiver uma vida genuína em Deus, com Deus e para Deus, esta pessoa está miserável e nua neste mundo. O tipo de Evangelho que muitos pregam por aí nos dias de hoje, não passa de um Evangelho Antropocêntrico, um Evangelho onde se procura agradar aquele que ouve e assim, atrair multidões.

* A verdadeira Religião não tem como objetivo o enriquecimento próprio, mas busca a comunhão e o repartir o pão ( At 2.42) O Senhor diz na Sua Palavra: "Trazei os dízimos e ofertas à casa do tesouro, para que não falte mantimento na minha casa..." (Ml 3.10 a)
Muitos,porém, tem tentando barganhar com Deus; ofertando com a motivação errada ("Eu vou entregar o Dízimo para Deus fazer tal coisa por mim."); alimentando expectativas acerca do que irão receber de Deus em troca da oferta que está dando. E quando aquilo que esperavam não acontece, então vem a frustração; ficam se perguntando: "Onde estão as promessas de Deus?" Jamais pararam pra pensar que não é dessa forma que devemos nos relacionar com Deus; mas que devemos simplesmente obedecê-lo e buscar em primeiro lugar o seu Reino e a sua justiça, e as demais coisas nos serão acrescentadas.
Um trecho do hino "Bendito serei" de Nani Azevedo diz o seguinte:

"Se atentamente ouvir a Deus e os mandamentos seus obedecer,
O Senhor, meu Deus, me exaltará sobre todas as Nações onde eu passar,
Eu não correrei atrás de bênçãos;
Sei que elas vão me alcançar (...)”

Aí está o segredo: OBEDECER!

Deus sonda a intenção do nosso coração. Por isso, quando estava falando a respeito de se dar esmolas, Jesus disse: "Dai com a vossa mão direita, para que a vossa esquerda não veja o que faz a vossa direita" (Mt 6.1-2) Ele sabia que muitos fazem doações, ofertam com intenções de auto-promoção ou de requerimento diante de Deus de algo em troca.
O Dízimo não foi instituído em cima de moeda, de dinheiro; mas foi gerada no coração de todos aqueles que tinham um coração grato e amoroso para com Deus. Abraão foi dizimista antes mesmo que existisse moeda; antes mesmo que viesse a Lei, ele entregou o dízimo com o coração voluntário, e isto agradou a Deus (Gn 14.20).
Sigamos, pois, o exemplo do publicano, façamos o que é certo, não para sermos vistos pelos homens, mas para que o nosso Pai celestial seja por nós obedecido e glorificado.
Devemos entregar o Dízimo, não porque o pastor vai saber que eu o fizemos, nem para que os irmãos escutem o nosso nome sendo citado na lista dos dizimistas; não para que possamos ser chamados até à frente para recebermos uma oração especial, da qual os outros irmãos que não entregaram ficarão de fora; não para depois ficarmos exigindo algo de Deus e esquecendo que somos apenas servos dele e que ELE sim, é o Senhor da História. Portanto, a Verdadeira Religião busca cumprir o que Deus determinou sem ter que oferecer prosperidade ou o seu dinheiro de volta (o que não acontece).

* A verdadeira Religião, leva os seus membros a cumprirem com fidelidade o que Deus ordena na sua palavra a todo aquele que julga ser religioso:

1- Ser não apenas leitor e ouvinte, mas praticante da Palavra de Deus (Tg 1.21-25) Não adianta eu dizer que já li e reli a Bíblia toda por várias vezes, se eu não comi, se eu não absorvi, e se aquilo que eu li não se tornou parte de mim, como regra de fé e prática, se ela não fez ainda com que outras pessoas olhem pra mim e perguntem se sou Evangélico (sem que neste momento eu esteja necessariamente com a Bíblia debaixo do braço nem com roupas que me identifiquem como membro de determinada igreja) Deixando claro que não estou dizendo aqui que o crente não precisa andar bem vestido, de forma moderada, sem dar escândalos.

2- Refrear a sua língua (Tg 1.26)- Muitos tem falado coisas que não provém da Palavra de Deus (heresias) por falta da instrução adequada por parte da sua Igreja, que não tem base bíblica e tem gerado cristãos que não estão preparados a responder àqueles que perguntarem qual a razão da sua fé. Há também aqueles que se dizem cristãos, mas quando estão entre seus amigos e familiares utilizam um linguajar tão vulgar e tão torpe que escandalizam o Evangelho. Há ainda outros que saem por aí entregando falsas profecias, muitas delas que levam outros à queda espiritual, ou a murmurarem contra Deus acerca de coisas prometidas por homens, e não pela boca DELE e que não se cumpriram; esquecendo estes falsos profetas que prestarão conta diante de Deus por essas atitudes. Quero dizer aqui que creio na contemporaneidade dos dons espirituais, no entanto, devemos provar as profecias, como o Senhor nos instrui através do Apóstolo Paulo. O discernimento que Paulo nos orienta tanto a usar, tem sido desprezado por muitas igrejas, daí o por quê de tantos erros dos quais quem tem levado a culpa muitas vezes é o próprio Deus, por pessoas que não mantém comunhão com Deus, mas vive de lugar em lugar em busca de promessas de prosperidade. Mas se a Mensagem pregada no púlpito (A Profecia Principal de Deus) for de exortação pedindo para o povo se consertar com ELE; então não foi de Deus, o irmão que pregou não falou da parte de Deus, mas falou porque sabe alguma coisa da minha vida, ou porque alguém foi falar pra ele, etc.

3- Visitar os órfãos e as viúvas, fazer o bem; A verdadeira Religião procura realizar boas obras, porém entendendo que isto apenas evidenciará da vida eterna que já tem, garantida em Cristo Jesus através do Novo Nascimento; e não achando que fazendo tais coisas receberá a salvação, pois a Bíblia nos diz que a salvação é pela Graça e não por obras (Tt 3.5).
Devemos ter a consciência de que onde há boas obras, nem sempre há amor e fé envolvidos; mas que onde verdadeiramente existe amor, sempre haverá boas obras. Aquele que é nascido de Deus sempre terá, naturalmente no coração o desejo de servir com excelência a Deus e de servir também ao próximo.

Em suma, a única e verdadeira Religião se resume em:
TER PASSADO PELA EXPERIÊNCIA DO NOVO NASCIMENTO (Você tem certeza que já nasceu de novo?- João 3.7) E, COMO RESULTADO DESTE NOVO NASCIMENTO, LER E PRATICAR VERDADEIRAMENTE A PALAVRA DE DEUS; e ainda, valorizar o momento da reunião solene coletiva, não deixando de congregar, como é costume de muitos, como disse o autor aos Hebreus, no capítulo 10.25. Pois temos visto hoje o crescimento dos desigrejados, insatisfeitos com questões teológicas ou por questões pessoais, intrigas e dissensões. Que Deus olhe para mim e pra você e encontre verdadeiros adoradores que o adoram em espírito e em verdade, e que, em consequência disto, vivem a verdadeira religião.

Que Deus continue abençoando a sua Igreja invisível!


Nani Azevedo- Bendito Serei

domingo, 17 de abril de 2011

Existe mesmo mentira branca?

Quem nunca mentiu? Mesmo que tenha sido aquela "mentirinha inocente"?

Mas a questão é: Toda mentira é contabilizada por Deus? Os fins justificam os meios? Se a mentira for por uma boa causa, Deus não leva em conta?

Se analisarmos biblicamente chegaremos à conclusão de que a mentira, independente do grau que aos olhos humanos possa ter , é pecado da mesma forma diante de Deus?
A base para compreendermos este assunto é a própria Palavra de Deus. Analisaremos juntos alguns textos que esclarecem qualquer dúvida acerca deste assunto.
No decorrer da história bíblica vemos alguns exemplos a não serem seguidos de forma alguma, como é o caso de Rebeca e seu filho Jacó, que mentiram para Isaque para que este desse a bênção da primogenitura a Jacó (Gn 27), ou ainda as filhas de Ló, que o enganaram, embriagando-o e deitando-se com ele com o objetivo de continuar a descendência (Gn 19.30-38). Estes exemplos nos mostram o quanto somos tendenciosos a ceder ao pecado quando nos é conveniente,e nem sequer nos preocupamos com as consequências destas mentirinhas, que, vale salientar, foram ditas por uma boa causa.
Às vezes já estamos tão acostumados com a mentira, que ela se torna praticamente um "bichinho de estimação", do qual cuidamos e nos tornamos dependentes além de espiritualmente, também emocionalmente; pois passamos a pensar que não conseguimos mais viver sem mentir. Isto se torna um círculo vicioso, e até mesmo em situações bobas, que poderíamos não mentir, nos pegamos pregando mentiras.

Mas o que a Bíblia nos diz acerca da prática da mentira?


"Não mintais uns aos outros, uma vez que vos despistes do velho homem com seus feitos." (Cl 3.9)
"Por isso, deixando a mentira, fale cada um a verdade com o seu próximo, porque somos membros uns dos outros [...] Nem deis lugar ao diabo" (Ef 4.25 e 27)

Muitas vezes lutamos mais fortemente contra pecados visíveis aos olhos dos outros, pois comprometem mais a nossa reputação; porém, vivemos na prática da mentira e de outros pecados que geralmente ficam ocultos e nos esquecemos do fato de que tudo está patente aos olhos de Deus, e de que não há nada que eu venha pensar, maquinar, ou distorcer, que Ele não tome conhecimento.
Quando pecamos, seja qual for o tipo de pecado, se já nascemos de novo em Cristo Jesus, entristecemos O Espírito Santo que habita em nós, e sentimos grande pesar e corremos aos pés do Senhor imediatamente para pedir-lhe o perdão. Mas há duas situações que também podem ocorrer: A pessoa pode nunca ter experimentado o novo nascimento e não sentir temor algum em ferir a santidade de Deus e estar achando a coisa mais natural do mundo viver na prática da mentira; ou ainda, a pessoa pode, mesmo sendo nova criatura, estar vivendo uma vida cristã superficial, não lê a Bíblia, não ora, e em consequência disso, estar insensível à voz de Deus e habituado a sempre estar cedendo à mentira; o que não pode acontecer, em hipótese alguma. Pois, como o Apóstolo Paulo disse no primeiro texto que citamos, que esta prática não convém a santos.
Não existe essa de "mentirinha branca"; e não importa o quanto esteja em jogo, se o nosso emprego está em jogo, se ser admitido ou não naquele emprego está em jogo, se continuar ou não com a namorada ou namorado está em jogo; não importa! Nada justifica a mentira! E não podemos nos esquecer de que um abismo chama outro abismo, e que, uma mentirinha, sempre vai chamar a necessidade de uma outra mentirinha para se manter de pé, e de outra e depois de outra, e assim por diante, e isso é muito perigoso e traz consequências diante de Deus que tudo sabe, e diante das pessoas quando descobrem toda a verdade.
Deus abomina o pecado, seja qual for aforma dele. O Senhor nos ama, mas não compactua com a mentira de ninguém, mesmo que seja para "proteger alguém", ou para "não magoar alguém".
"Não importa o prejuízo iminente, fale sempre a verdade."

O diabo é o pai da mentira. Lembre-se disso!

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Série de Estudos Bíblicos sobre Sexualidade II: Homossexualidade

Alguns têm se questionado: "Eu sou mesmo Gay?... E agora?"

Somos confrontados todos os dias acerca deste assunto, direta ou indiretamente. A questão da sexualidade é algo que deve ser compreendido, não apenas na perspectiva psicológica ou sociológica, mas, essencialmente, na perspectiva bíblica. Segundo a Bíblia, o homossexualismo não é uma doença, como muitos afirmam, mas é um comportamento, o qual a pessoa adota, cedendo aos seus desejos pecaminosos.
Em determinado momento na vida, todo ser humano tem bem definida a sua sexualidade; ou pelo menos é assim que deveria ser. Porém, muitos fatores podem contribuir para que esta definição seja correta ou distorcida:

1) Ter uma boa Educação bíblica acerca das questões da vida, inclusive sobre a sexualidade- isso, com certeza, a ajudará a cultivar a visão correta acerca de si mesmo e da sua sexualidade. Cabe, portanto, aos pais, a responsabilidade de educar seus filhos, não deixando para a escola aquilo que Deus colocou sob seus cuidados. Mesmo que depois esta criança não dê ouvidos à verdade, de uma coisa os pais podem estar certos: fizeram a sua parte prática, agora é somente orar e confiar no Senhor, o qual é soberano.
Hoje em dia são raros os lares onde se fala em Deus, onde a Bíblia é lida, onde as pessoas falam e e buscam viver conforme os preceitos divinos. Em muitos casos, Deus se tornou algo como um amuleto, só é citado na hora do aperto, como "Ai, meu Deus, me ajude!"; e a Bíblia se tornou um amuleto, ficando aberta no Salmo 91 ou 23, empoeirada e esquecida sobre uma mesa; precisamos urgentemente como família que quer ser restaurada por Deus, voltarmos à sua Palavra. Com certeza o retorno à Bíblia transforma as nossas vidas e a vida da nossa família. Precisamos investir em nossos filhos, desde a infância lhes mostrando o caminho em que devem andar, e quando crescerem, saberemos que a semente que ficou ali plantada, no momento determinado por Deus, irá cumprir o propósito para o qual fora enviada àquele coração.

Se você cresceu sem ouvir a verdade acerca do que Deus quer para a tua vida, hoje ele te dá a oportunidade de abrir os olhos enquanto é tempo, olhar para trás aonde caiu, e voltar-se para Deus; mudar de vida e de atitude!

Deus criou o ser humano e os fez apenas HOMEM e MULHER (Gn 1.27), o que passa disso é contrário à vontade de Deus. Há um grande investimento por parte de muitos para forçar uma mudança radical na nossa sociedade sobre a visão correta acerca da sexualidade. A pós-modernidade está aí, carregada de muitas coisas boas e ruins, e na questão da sexualidade, posso afirmar que são totalmente ruins e maléficas. As ideias pós-modernas afirmam que o ser humano, seja homem ou mulher deve buscar a felicidade plena, não importando como, sem dever satisfação a ninguém, nem mesmo a Deus. Entra aí a questão da homosexualidade. De acordo com este pensamento distorcido, o homossexualismo e o lesbianismo têm sinal verde, tudo está "liberado". É considerado anormal e preconceituoso todo aquele que disser que estão errados. Esta ideia afirma que aqueles que pregam a Verdade bíblica acerca deste pecado são preconceituosos e, por isso, projetos de Lei são preparados para abafar a voz da igreja, a voz da Bíblia, utilizando um argumento geral de preconceito, sem distinguir o que realmente caracteriza o preconceito; quando na verdade apenas pregamos a mensagem do amor de Deus também por estas pessoas que, ao contrário do que muitos afirmam, podem sim, arrependerem-se e serem transformadas pelo Senhor e entrar no céu juntamente com os demais lavados pelo sangue do Cordeiro que morreu lá na cruz por eles.

2) Receber uma orientação sexual correta por parte da Família e da sociedade como um todo, desde os primeiros conhecimentos de mundo; primeiro, de forma superficial, e depois, de forma mas profunda- Desde que o menino ou menina se entendem por gente, já percebem diferenças óbvias entre a sua genitália e a do sexo oposto, isto já estabelece na sua mente que são diferentes com um propósito; cabe aos pais, avós, ou aos responsáveis por elas, ensinarem corretamente qual é este propósito, numa linguagem adequada, à medida que a faixa etária e a percepção forem aumentando. A criança deve entender o sexo como algo abençoado por Deus, quando este é praticado por duas pessoas de sexo oposto (um homem e uma mulher) dentro do casamento; fora deste contexto, o sexo é pecado, em quaisquer formas ou situações. Este ensinamento vai bater de frente com o que é passado às nossas crianças e adolescentes pela mídia, a qual enculca todos os dias na cabeça delas que o sexo é liberado para todos e de todas as formas distorcidas em que é apresentado. É preciso sabermos que os preceitos de Deus seguem na contra-mão das ideias deste mundo. Quer agradar a Deus? Seja então inimigo das ideias do mundo. Ou vice-versa.

Do jeito que as coisas vão, num futuro bem próximo, o filho ou a filha irão perguntar aos pais: "Pai (mãe), casar com uma pessoa de outro sexo é correto?", ou ainda: "Pai (mãe), se eu gostar de alguém do sexo oposto, você vai ficar chateado comigo?"
É exatamente isso, os valores estão invertidos, os conceitos estão "de pernas pro ar"; onde iremos chegar dessa maneira? Você tem certeza de que este era o propósito de Deus para a sua criação?

Quando uma criança recebe a educação sexual correta por parte da família e da sociedade (entende-se aqui uma sociedade que vive conforme os preceitos divinos, que valoriza a santidade, o temor e a obediência a Deus acima de seus desejos pecaminosos), com certeza esta criança irá entender o seu papel menino sendo menino e menina sendo menina; assim, estaremos fugindo do contexto sodomita que a nossa sociedade vem tomando pouco a pouco.

3) Adquirir conhecimento acerca de como lidar com suas tendências pecaminosas e colocá-lo em prática- Todos aqueles que buscam agradar a Deus em seu modo de viver, travam todos os dias uma terrível luta contra o seu próprio EU. Como isso acontece? Temos desde que nascemos uma natureza pecaminosa, a qual teima em se afastar de Deus cada vez mais, a qual busca a sua própria satisfação, não importando a ética, a moral, a vontade de Deus. Todos pecam, cada um tem aquela área na qual é mais suscetível a cair, uns é o roubo, outros é a sede de sangue (homicídio) outros a mentira, outros o adulterio, outros, ainda, o homossexualismo, enfim, vários tipos de pecado, por meio dos quais podemos satisfazer a nossa carne, e desagradar totalmente a Deus. A diferença é justamente se eu cederei ou não a isso. Uma pessoa pode ter tendências ao homossexualismo e não ser "Gay". Pode também ter consciência dessa tendência e ter a certeza de que não quer isso para a sua vida. O que vai caracterizar alguém como gay e justamente o fato de estar na prática deste pecado. Se pratica, gosta e não se arrepende ele/ela é gay. Porém, se sabe que tem a tendência, não pratica, mas resiste e rejeita o pecado, este/esta não é gay.

Mas, como vencer a tendência pecaminosa ao homossexualismo ou ao lesbianismo?

Assim com as pessoas devem fugir dos outros tipos de pecado e não conseguem sozinhas, assim também é no caso do homossexualismo.
Já me disseram aqui no Blog indignados; "Você não sabe o que é passar por isso? Você acha que eu escolhi isso pra mim?".
E assim como eu respondi àquela pessoa, eu digo a você agora, com toda a convicção: Independente de qual seja o pecado, a tendência com a qual você lute, só há uma forma de vencer e seguir vencendo: Uma vida de comunhão contínua com Deus! O "AAA" pode te ajudar a largar a bebida; grupos de apoio podem te judar a largar o cigarro, o jogo, ou até as drogas, sem jamais você ter tido uma experiência com Deus; mas, nada acontecerá com o seu interior, com o seu espírito. Você continuará vazio e levando uma vida sem sentido. Pois afastamento do pecado sem um genuíno arrependimento e transformação de vida, não surtirá efeitos a longo prazo, e porque não dizer, eternos. Há pessoas que deixam o cigarro porque têm medo de adquirir um câncer de pulmão, mas deixam com pena, só porque é o jeito, não se trata de uma questão de arrependimento.
Quando entregamos a nossa vida ao Senhor Jesus Cristo, a nossa vida toma outro rumo. Mesmo que tenhamos que lidar todos os dias com a tendência ao homossexualismo ou ao lesbianismo, Deus nos fará, não apenas deixar o pecado, mas nos ajudará a rejeitá-lo sob a direção do seu Espírito Santo, o qual estará em nós e zelará pela nossa santificação diante do Deus-Pai. Isto é fácil? Não! Definitivamente não é fácil! Mas em Cristo somos mais que vencedores (Rm 8.37)!

Leia as referências bíblicas abaixo e perceba o que a Bíblia diz acerca do
"Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus os criou; homem e mulher os criou." (Gn 1.27)

"Por isso deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne." (Gn 2. 24)

"Disse mais o Senhor: Com efeito, o clamor de Sodoma e Gomorra tem-se multiplicado, e o seu pecado se tem agravado muito." (Gn 18.20)

"Mas, antes que se deitassem, os homens daquela cidade cercaram a casa, os homens de Sodoma, tanto os moços como os velhos, sim, todo o povo, de todos os lados; e chamaram por Ló e lhe disseram: Onde estão os homens que, à noitinha, entraram em tua casa? Traze-os para fora a nós para que abusemos deles. E disse-lhes Ló: Rogo-vos, meus irmãos, que não façais mal; tenho filhas virgens, e vo-las trarei; tratai-as como vos parecer, porém, nada façais a estes homens [...]." (Gn 19.4-8)- este trecho mostra o que houve antes da destruição de Sodoma e Gomorra, justamente onde, além de outros pecados, predominava o do homossexualismo especificamente.

"Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; é abominação." (Lv 18.22)

"Se também um homem se deitar com outro homem, como se fosse mulher, ambos praticam coisa abominável [...]." (Lv 19.13)

"Porquanto, tendo o conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato. Inculcando-se por sábios, tornaram-se loucos e mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível [...] Por isso, Deus entregou tais homens à imundícia, pelas concupscências de seu próprio coração, para desonrarem o seu corpo entre si; pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador, o qual é bendito eternamente, amém! Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contacto natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro. E, por haverem desprezado o conhecimento de Deus, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem coisas inconvenientes, cheios de toda injustiça, malícia, avareza e maldade; possuídos de inveja, homicídio, contenda, dolo e malignidade; sendo difamadores, caluniadores, aborrecidos de Deus, insolentes, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais, insensatos, pérfidos, sem afeição natural e sem misericórdia. Ora, conhecendo eles a sentença de Deus, de que são passíveis de morte os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que assim procedem." (Rm 1.21- 32)- Observe que Deus coloca aqui toda esta lista de pecados num mesmo patamar de culpa diante dele, e que, tanto os homossexuais quanto os que praticam estes outros pecados, muitos destes que são cometidos apenas no coração e que só Deus vê; todos, igualmente, são passíveis de morte, pois a Bíblia diz em Rm 3.23 que "o salário do pecado é a morte"; falando de morte física (porque as doenças, o envelhecimento e a morte são consequências do pecado) e também de morte espiritual (pois esta é a condição do pecador diante de Deus enquanto não ocorrer a regeneração, o encontro com Jesus- morto espiritualmente em seus pecados; e a pior notícia é que, esta morte poderá ser eterna (inferno), caso não houver regeneração, fé e arrependimento genuíno enquanto estiver em vida na terra.

A Palavra de Deus traz claramente o que Deus pensa acerca do pecado do homossexualismo ou lesbianismo, Ele não aprova! Não foi Deus quem criou esta tendência nas pessoas; elas vêm por meio da maldição do pecado que está sobre a humanidade desde o primeiro homem Adão, o qual pecou contra Deus. Ele nos representava ali no Jardim do Édem e desobedeceu a Deus, por isso quando nascemos já trazemos em nós a natureza pecaminosa que é inimiga de Deus. A ausência de Deus em nossas vidas nos leva a viver uma vida que só tem nome de vida, mas é uma morte contínua, é um morrer que terá o seu clímax no inferno eternamente. Mas, quando corremos para os braços daquele que é a própria Vida- Jesus, ganhamos sentido, ganhamos esperança, ganhamos forças para vencer. Então você me pergunta: "Quando eu tiver este encontro genuino com Cristo, deixarei de sentir estes desejos contrários à vontade de Deus?" Te respondo com sinceridade: NÃO, não deixará de sentir esta tentação; e talvez até se torne mais forte em determinados momentos. Mas existe agora um diferencial na tua vida, Aquele que marcou um novo começo para você, o qual estará sempre contigo te garantindo que você jamais será tentado acima do que possa suportar e rejeitar, pois o Senhor sempre te dará o escape: A sua presença, o seu refúgio, a sua comunhão por meio da oração e santificação. Deus faz a sua parte, mas cabe ao homem e à mulher fazer a sua; pois cada um tem esta responsabilidade diante de Deus- apresentar-se em santificação diante dele, fugindo das tentações da carne e dos olhos e de tudo quanto represente uma situação de vulnerabilidade à queda. Se o pecado se apresenta à minha direita, é claro que eu devo me desviar para a esquerda. Não posso esperar que Deus me empurre para a outra direção. É minha responsabilidade resistir e vencer. O Espírito Santo estará em mim para me ajudar, isto é promessa de Deus para todos aqueles que desejam sinceramente agradá-lo.
O Deus que abre os olhos aos que se encontram cegos pelo engano do diabo e do pecado, é o mesmo que diz a você e a mim:
"Ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã." (Isaías 1.18)

O mundo te diz: "Não se reprima, viva seus desejos, seja feliz aqui e agora." (resultado= eternidade no inferno)

Deus te diz: "Resisti firmes ao Diabo, e ele fugirá de vós." "Sê fiel até a morte, e dar-te-ei a corôa da vida" (resultado= eternidade no céu)!

Deus abençoe a tua vida!

Sugiro que leia este Artigo:
Homossexualidade

Respeito aos idosos


Vi hoje, no centro da cidade um casal de idosos passando pela calçada, quando a mulher caiu, e seu esposo, ao invés de procurar saber se ela estava bem, a xingou por estar caindo pela terceira vez.
Fiquei triste ao perceber o quanto as pessoas, na maioria das vezes, só sabem "amar" quando tudo vai bem, na saúde, na bonança, etc. mas quando tudo começa a ficar difícil, passam a desprezar e a maltratar aquelas pessoas às quais fizeram juras de amor, ou que, pelo menos tinham um senso de zelo e respeito por elas.
Deixo aqui o meu apelo a todos que são hoje filhos, netos, cônjuges: Amem de verdade; cuidem de quem Deus colocou ao seu lado, não desprezem, não maltratem. Pois Deus cobrará de nós. E, com a medida com a qual tivermos medido, nos medirão também, conforme diz o Senhor Jesus. Um dia também seremos idosos, se Deus quiser nos dar este privilégio; e com certeza não gostaremos de ser tratados com desprezo ou de serrmos maltratados. Pensemos seriamente nisso!
Um abraço a todos!