domingo, 30 de janeiro de 2011

Boas obras: Quando elas não evidenciam uma fé salvífica.

"Meus irmãos, qual é o proveito, se alguém disser que tem fé, mas não tiver obras? Pode, acaso, semelhante fé salvá-lo? Se um irmão ou uma irmã estiverem carecidos de roupa e necessitados do alimento cotidiano, e qualquer dentre vós lhes disser: Ide em paz, aquecei-vos, sem, contudo, lhes dar o necessário para o corpo, qual é o proveito disso? Assim, também a fé, se não tiver obras, por si só está morta. Mas alguém dirá: Tu tens fé, e eu tenho as obras; mostra-me essa tua fé sem as obras, e eu, com as minhas obras te mostrarei a minha fé." Tiago 2.14-18
Acompanhamos recentemente as catástrofes no Rio de Janeiro e também, embora em menor escala, em São Paulo, Minas, Bahia, Sta Catarina e João Pessoa, o que desencadeou uma comoção geral em favor das famílias enlutadas e daquelas que, embora tendo sobrevivido pela graça de Deus, ficaram e ainda estão sem um norte, sem chão, enfim, sem alento. Graças a Deus por cada pessoa que ajudou, independente de qual foi a motivação, pois pessoas foram socorridas... Mas agora é importante que reflitamos sobre esta questão das boas obras. O que realmente me leva a querer fazer o bem ao meu próximo? Qual é o sentimento motivador?
É interesante percebermos que alguns se mobilizam em favor destas pessoas movidos por um sentimento de compaixão e cumprimento de um dever; dever este que é inerente a todo cristão genuinamente salvo. Outros fazem o bem e socorrem o aflito por puro desencargo de consciência, e ainda há outros, por sua vez, correm a fazer o bem porque pensam que fazendo assim
"acrescentarão mais um tijolinho na sua casa no céu." Falando assim até parece engraçado, mas é muito sério o fato de que tantos ainda se encontram no engano acerca da fé e das obras para com o próximo diante de Deus.
Sabemos muito bem que no reino de Deus não é assim que as coisas funcionam. A fé sem obras revela alguém que ainda precisa rever a fé que professa. Pois, a Bíblia afirma que a verdadeira fé é salvífica e gera obras, gera frutos dignos de arrependimento. É impossível que o salvo permaneça no comodismo enquanto outros perecem; não porque ele precise fazer o bem para que Deus lhe conceda o entrar no céu, mas porque sabe que é seu dever e que, fazer o bem está no seu novo ser, nascido em Cristo. E se isto não acontece, este "cristão" deve rever o seu cristianismo. E sem a Fé genuína, diz o Senhor em sua Palavra que as nossas obras de justiça "não passam de trapos de imundícia diante dos seus olhos". Imagine como incomodamos a Deus e o quanto o afrontamos quando queremos, ou tentamos apresentar diante Dele seja qual for o ato de justiça e de bondade que tenhamos feito a um necessitado, como se disséssemos: "Olha, Deus, eu fiz isso para aquela pessoa, agora é a sua vez: Me abençoe e me salve!"
Aquele que não é salvo, permanece na ilusão, no engano que foi e ainda é pregado por aí, o qual afirma que se você quer ser aceito por Deus tem que fazer boas obras. Mas sabemos que o caminho para sermos aceitos por Deus não é trilhado daqui de onde estamos até Ele, mas é Ele que vem até nós; e isto não ocorre porque eu ou você sejamos mais bonitinhos ou bonzinhos, ou porque tenhamos entrado para o Guiness Book em matéria de dar esmolas e fazer o bem, mas o Senhor Deus vem até nós, porque nós, humanos, estamos mortos em nossos delitos e pecados, e, portanto, totalmente incapazes de, por nossos próprios méritos sermos reconciliados com Ele.

Somente a verdadeira fé gera as obras agradáveis a Deus; agradáveis por configurarem frutos de algo espetacular, miraculoso e sobrenatural que houve em nós: O novo nascimento, o qual somente o Senhor poderia ter feito em nós, nos tirando das trevas para a sua maravilhosa luz.

sábado, 15 de janeiro de 2011

Silas Malafaia diz: "Quem não prega a teologia da prosperidade é um idiota!"

Fonte: Gospel +

Em entrevista a Revista Igreja de novembro de 2010 o pastor Silas Malafaia, da Igreja e programa de TV Vitória em Cristo, chamou os pastores que não pregam a teologia de prosperidade de Idiotas que deveriam perder a credencial e voltar a ser membro para aprender as Escrituras.

Confira abaixo:

Revista Igreja: O senhor está sendo duramente criticado pelo setor mais conservador da igreja por causa da teologia da prosperidade pregada por alguns convidados de seu programa, como Morris Cerrullo e Mike Murdock. Como o senhor responde a estas criticas de que a teologia da prosperidade não tem base bíblica e é uma heresia?
Silas Malafaia: Primeiro quem fala isto é um idiota! Desculpe a expressão, mas comigo não tem colher de chá! Por que quando é membro eu quebro um galho, mas pastor não: é um idiota. Deveria até mesmo entregar a credencial e voltar a ser membro e aprender. Para começar não sabe nada de teologia, muito menos de prosperidade. Existe uma confusão e um radicalismo, e todo radicalismo não presta.
Em seguida o pastor da Igreja Vitória em Cristo defendeu a Teologia da Prosperidade e a si mesmo: “Finanças é um dos maiores assuntos da Bíblia. Quando chega nesta parte, muitos pastores, as vezes porque eles mesmos não dão dízimo e nem oferta e, portanto não tem autoridade para falar do assunto, querem bater em quem fala”.

O comentário gerou uma intensa polêmica na internet. O Pastor Sênior da Igreja Bíblica Cristã de São Gonçalo – RJ, Alan Capriles, citou a tradução da Bíblia na linguagem de hoje, onde relata que Jesus disse “E quem chamar o seu irmão de idiota estará em perigo de ir para o fogo do inferno”, Mateus 5:22.

O curitibano Clauber Ramos falou sobre a nova polêmica: “Uma coisa engraçada dessa gente da prosperidade é que nenhum deles nos pedem para semear nosso dinheiro em obras de caridade, em ajudar meus vizinhos necessitados, em ajudar ONGs que fazem um bom trabalho comunitário, etc. A “benção” só é válida se eu semear no campo deles, coisa estranha isso” e completou: “Deus não olha minha oferta (seja em dinheiro ou não), Ele olha o meu coração, isto é muito claro na Bíblia. Ele vai olhar a minha generosidade, o meu amor pelo próximo, o quanto eu me compadeço com o sofrimento do outro… Ai sim creio que Deus tenha prazer em retribuir, mesmo que eu não mereça esta retribuição”.

O blogueiro e pastor Danilo Fernandes publicou em seu blog sua opinião sobre a afirmação de Silas Malafaia: “Eu só tenho uma pergunta a fazer a este deus da prosperidade: O que Malafaia, Cerrullo e Murdock têm que Jeremias, Jonas e João Batista não tinham para, em sendo igualmente profetas, tendo dado tudo de si, terem vivido em indesejável pobreza e grande perseguição, enquanto os novos profetas, fazendo tão menos, vivem como nababos? Foi falta de fé dos profetas antigos ou eles não pagavam o dizimo?” e alfineta: “Mas Malafaia é sincero quando chama seus críticos de idiotas. Pela sua justificativa que coloca os contrários à sua tese da vida cristã financeira na vala do pobrismo, ele há de achar que fala com idiotas!”. Danilo ainda conclui: “Não há nada contra ter dinheiro. Trabalhar e prosperar. Contudo, dizer que está evangelizando enquanto se leva a proposta deste cassino celestial onde se aposta 10 para receber 100 é um disparate. Ordenaram-nos levar a boa nova da salvação, batizar, fazer discípulos e enviar”.

Não é a primeira vez que o Pastor Silas Malafaia usa palavras desse tipo para rebater quem o critica, o mesmo já chamou internautas de “safados, bandidos, negos enrolados, invejosos” e outros adjetivos.

O que o Conectado tem a dizer sobre estas palavras de Silas Malafaia:
Leia aqui o Artigo que escrevi aqui sobre: Teologia da Prosperidade:
Afinal, o que determina a bênção de Deus sobre as nossas vidas?


Assista também a este vídeo, quando o Pr. Silas ainda era um defensor ferrenho da pregação fiel. (No vídeo aparecem algumas risadas,mas não creio que haja algum motivo para rirmos, e sim, para chorarmos e clamarmos a Deus pela Sua Igreja)




Artigos relacionados:
A verdadeira Religião
Por inde devo ir?
Um clamor a Deus por todos os cristãos

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Chuvas no Rio- A catástrofe se repete e o número de mortos já ultrapassa 873. Saiba como ajudar!

É lamentável tudo o que está acontecendo na região serrana do Rio e também em algumas partes de São Paulo. As enchurradas devastaram tudo, dizimaram famílias e deixaram não poucos enlutados. Segundo dados atualizados sobre a catástrofe no Rio de Janeiro, já chega a mais de 873 mortos já registrados oficialmente. Além de outros corpos que já estão sendo encontrados e muitos outros que ainda estão soterrados debaixo dos escombros.
Era uma tragédia anunciada...? Talvez. Pois todos sabem que aquela região é de risco, mas as autoridades governamentais não tomam a tempo uma providência efetiva, algo que dê àquelas famílias que vivem naquela região maior segurança de moradia, procurando construir habitações populares em locais mais seguros e retirando estas pessoas dessas áreas. Não basta técnicos chegarem no local e simplesmente dizerem, saiam, vocês estão correndo risco de vida. Pois, para onde vai toda essa gente? Vão sair para viver pelas calçadas? Há um plano de emergência eficaz? Deveria haver um plano emergencial, de acordo com o modelo australiano, como vi e ouvi em um telejornal. Seria a melhor saída, ou pelo menos minimizaria os estragos e o número de pessoas vitimadas e enlutadas. Achei muito interessante.

É necessário que se tomem providências significativas o mais rápido possível. E isso não é novidade; a época de buscar estas soluções é antes das chuvas, e não depois que os desastres começam. Deus tenha misericórdia do nosso País!
Infelizmente vemos, digo num sentido amplo da palavra, alguns políticos correndo atrás de aprovar aumento em seus salários, enquanto não têm agido na prevenção das calamidades que ameaçam a segurança destas pessoas. Isto é uma vergonha para o nosso País! E o que falo aqui não é "procurar culpados", mas é falar do que é óbvio e patente, primeiro aos olhos do próprio Deus, e depois, de todos aqueles que sobrevivem sob o descaso neste País.

Não moro no Rio nem em São Paulo; mas a Bíblia diz que devemos chorar com os que choram; e esta é uma ocasião em que tenho que chorar com estas famílias, não apenas eu, mas todos aqueles que se consideram cristãos, que dizem que amam o próximo. E devemos não apenas chorar com eles, mas provurar ajudá-los no que estiver ao nosso alcance. Mesmo que eu não tenha muitas condições para intervir, mas tenho algo precioso que é a minha voz. Posso conclamar as autoridades do nosso País a que se coloquem no lugar dessas vítimas, destas famílias agora em luto, dessas famílias que perderam o norte, o teto, o chão, o aconchego dos seus amados familiares, enfim, que estes governantes pensem e ajam com antecedência antes que haja mais vítimas. Posso também conclamar a todos que se unam em prol destas pessoas que necessitam de praticamente tudo.

Sabemos que o planeta está cada dia mais afetado; a natureza apenas responde ao que homens gananciosos e inconsequentes têm feito (fábricas e grandes indústrias daqui e dos demais Países que poluem e devastam o planeta); todos querem crescer, enriquecer, tornar seus nomes conhecidos, no entanto, retiram da natureza sem quaisquer critérios, e pouco ou quase nada devolvem a ela. São raras as Empresas que têm investido em reflorestamento, poucos dão importância ao estrago que estão causando de forma invisível aos olhos humanos cujas consequências são terríveis e visíveis aos olhos de todo o mundo, como estamos vendo mais uma vez com esta catástrofe natural.

Acordemos! O planeta pede respeito! E estas famílias também merecem respeito e cuidado por parte das autoridades, autoridades estas que foram instituídas por Deus e que receberam Dele a oportunidade e responsabilidade de cuidar delas, mas, infelizmente, quando chegam lá, muitos vão simplesmente empurrando com a barriga. Mas isto é uma prioridade, não é algo supérfluo. Acordemos!
Leia Mais:
Registro de quando ocorreu a mesma coisa no ano passado (em 2010)

msn notícias sobre esta catástrofe

Assista e divulgue este vídeo, em sua descrição no You tube também há a lista dos endereços para onde devem serlevadas as doações (S.O.S. Rio)
Vídeo sobre a Tragédia na região Serrana do Rio de Janeiro

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Unção, amor, perdão e serviço

Imagine um relógio daqueles que funcionam com engrenagens, todas funcionando perfeitamente bem, cada uma delas movimentando-se no momento certo para a direção correta... Que maravilha não? Esta perfeita harmonia garante que aquele relógio não irá atrasar, nem adiantar, e muito menos parar.

Agora, imagine outro relógio, onde as suas engrenagens estão enferrujadas e desgastadas cuja ferrugem está fazendo com que elas não se movimentem de forma harmoniosa e perfeita, que desastre, não? Este segundo relógio passa a funcionar de forma irregular, atrasa, adianta, ou até mesmo pára de vez. O que fazer, então quando isto acontece? Imediatamente o seu dono o leva a um relojoeiro, o qual imediatamente o examina, descobre o problema, realiza uma limpeza, em seguida providencia o óleo e lubrifica cada peça, o que fará com que o atrito entre elas seja eliminado de maneira que passem a movimentar-se de forma harmoniosa, como em uma melodia, trazendo assim, a vida útil ao relógio, antes, parado.

Fazendo uma reflexão sobre a nossa própria vida espiritual, podemos nos comparar àquele relógio. Sim ou não? Claro que sim. Pois somos partes, “engrenagens” que formam um só corpo- o Corpo de Cristo, e precisamos nos movimentar de forma harmoniosa para que este Corpo possa “funcionar”; andar e agir, enfim, para que este corpo seja útil, direcionado pela Cabeça que é Cristo. E para que vivamos uma vida de comunhão com os nossos irmãos é necessário que tenhamos uma vida cheia da unção de Deus, do seu óleo (uma vida cheia do Espírito Santo), o qual ele providenciou para que funcionássemos perfeitamente como corpo, do qual Ele é a Cabeça.

Em meio à “ferrugem” (o ódio, as desavenças, as divisões, os partidarismos, o individualismo, as picuinhas, falta de perdão, etc.) que teima em afetar o nosso convívio com “as outras peças da engrenagem” (nossos irmãos), precisamos buscar de Deus o enchimento; devemos urgentemente clamar ao Deus-Espírito Santo para que venha nos encher constantemente, para que venha tornar aptos a viver o verdadeiro amor de Deus, o qual é o efeito do óleo sobre as “peças” (eu e você). Assim, será menos difícil conviver com nossos irmãos, e não iremos apenas tolerar, mas iremos amar a cada um deles. Precisamos ir muito além de um simples “suportar o irmão”; e esta tarefa é impossível a peças emperradas pela ferrugem do pecado, do ódio, do orgulho, da obstinação. Precisamos nos livrar da ferrugem, e só conseguiremos isso, se buscarmos ao Senhor de todo nosso coração, com todas as nossas forças e com todo nosso entendimento.

Se cada peça teimar em funcionar sozinha, cada uma por si mesma, o relógio permanecerá quebrado, portanto, inútil. Porém, quando nos colocarmos diante de Deus como vasos que estão rachados mas querem ser “moldados” consertados, pelo Oleiro, então Ele nos restaurará e nos tornará um novo relógio, pronto para a boa obra, prontos, portanto, para realizar o seu Serviço com amor, união e unidade de pensamento e visão; somente assim, o corpo se moverá avante, rumo ao propósito divino, o qual ele estabeleceu para “engrenagens ungidas” com o seu óleo.

Que Deus- o nosso “Relojoeiro por excelência” nos abençoe e escute quando clamarmos e conserte a nossa vida, para que, restaurados, estejamos aptos para toda a boa obra; pois Ele mesmo afirmou em sua Palavra: “Serei achado daqueles que me buscarem.” (Pv 8.17; Is 65.24).


sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Vício em Internet: Quero a minha vida real de volta!

De repente percebi que preciso voltar...
Ah, que saudade de quando eu tinha mais amigos reais do que virtuais...!!!
De quando eu visitava mais amigos reais que amigos virtuais... Não que alguns dos virtuais também não sejam reais... Mas sinto falta...

Acho pouco ter inúmeros amigos no orkut, mesmo que nunca tenha os visto pessoalmente; daí, descubro quais as outra redes sociais que existem e quero ter todos aqueles amigos em todas as redes sociais e ainda outros, e muitos mais... Mas estou sozinho aqui... Olho ao redor... Onde estão os meus amigos reais? Quanto tempo faz que fui à casa de um deles visitá-los e olhar em seus olhos e dizer: "Estou aqui, vim saber como você está... Você está verdadeiramente no meu coração"...?

Sinto saudade de quando me bastavam os problemas mais imediatos que me cercavam; hoje, já não cabem na minha mente os problemas do mundo todo, no mesmo minuto em que ocorrem...
Parece que quanto mais utilizo a internet, mais distante me sinto das pessoas reais...
Me sinto mais retraído para comunicar-me com o mundo real, mesmo que tenha adquirido maior desenvoltura utilizando os meus dedos no teclado do meu computador...
Parece até que este mundo virtual começa sugar-me para dentro dele como um ímã e cada vez mais me retira do meu mundo real... Todos os que conhecem o mundo virtual têm o mesmo jargão: "Sei equilibrar o uso dela"... Mas na vida real... Acabam reconhecendo, como eu: reconheci "Não quero isso, mas é como se fosse um ímã..."

O mundo sem a internet parece que seguia um curso mais ameno; os dias demoravam mais a passar... As pessoas tinham mais tempo para passear e visitar velhos amigos para "jogar conversa fora"... Para momentos de contemplação da natureza; pois faz tanto bem admirar a criação de Deus, ainda mais se for na companhia de verdadeiros amigos reais... É muito melhor que ficar ingerindo todo o tipo de lixo virtual que nos assedia todo o tempo na tão amada "Net"...
Antes as pessoas tinham tempo de parar e lembrar que pessoas reais precisavam da presença delas e abriam mão dos seus afazeres com mais facilidade para se doarem ao próximo. Hoje... Mais sei o que as outras pessoas andam realizando pelo mundo a fora do que tenho realizado eu mesmo...
Hoje... Hoje as pessoas quase não têm tempo para si mesmas, porque todo o seu tempo está preso a uma pequena máquina conectada ao mundo todo, como se estivessem presas a um balão de oxigênio...

Claro que nem todos têm acesso à internet, mas com certeza, todos estão sofrendo a consequência, direta ou indiretamente, da influência que ela têm exercido em todo o mundo real.
Amizades desfeitas (pois deixam de aceitar sair ou visitar amigos para estar na Internet); casamentos abalados (pois há pessoas que levam o PC até para a cama); relacionamentos enfraquecidos (pois já não "sobra" tempo para o diálogo e o lazer em família)... Eu acordei! Não é esta vida que quero para mim e para a minha família! Preciso resgatar a minha vida real, que é tão preciosa, e, por sinal, é única! Só viverei aqui no mundo uma única vez; portanto, devo fazer valer a pena, marcando a vida das pessoas reais, as quais estão pertinho de mim; devo gastar, ou melhor "investir" tempo em companhia delas. Sei que é isto que Deus quer para mim!

Socorro, Deus, salve-me da Internet!... Salve-me de mim mesmo!

Autora: Ana Chagas




(Mensagem de Reflexão inspirada na situação em que vive a humanidade refém do mundo virtual, independente de seu credo, posição social ou etnia. O mundo precisa pôr os pés no chão e doar mais tempo para viver sua vida real . Precisamos ter mais tempo para Deus, para nós e para os nossos amigos reais, pois podemos estar deixando que eles se afastem e fiquem no esquecimento, enquanto enchemos as nossas redes sociais e as nossas sagradas 24 horas do dia com o mundo virtual. Amo a internet, utilizo com frequência, também sinto a grande necessidade de equilibrar melhor o meu tempo para que assim a minha vida real seja mais produtiva e seja uma vida de melhor qualidade. Creio que muitos se identificarão com o que diz o texto. Um abraço a todos!)

Você é viciado em Internet? Quer saber se é? Faça esse Teste e descubra!

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Arrependimento e restauração: Não temas,ó, bichinho de Jacó, povozinho de Israel, eu te ajudo!

"Não temas, ó bichinho de Jacó, povozinho de Israel; eu te ajudo, diz o Senhor, e o teu redentor é o Santo de Israel." (Isaías 41.14)

Vivemos dias em que a igreja de modo geral encontra-se apática e infrutífera, o esfriamento espiritual já predito pelo Senhor Jesus quando este se referia ao começo das dores, o começo do fim já pode ser claramente sentido no meio dela. O maior fator que contribui para este esfriamento, não diferente do fator que afetou também o povo de Israel, é o pecado, e não há como negar esta verdade. Muitos, infelizmente têm se apoiado no fato de que Deus é amor, e de que sempre perdoa para apoiar os seus próprios erros e desejos de pecar, e suas frequentes "quedas" (não que exista super crentes que não pecam; mas devemos viver em temor e sabermos que com Deus não se brinca). Ele nos chamou para sermos santos, separados para o louvor da sua glória, mas temos nos desviado constantemente dos seus preceitos, deixando a vida cristã prática, quando deveríamos lutar para deixarmos de ser cristãos meramente nominais, dos quais as igrejas estão abarrotadas, infelizmente. Deus é misericórdia e amor, certo? Certo! Mas Deus também é, não em menor proporção ou em uma ordem posterior de intensidade, mas na mesma medida e ao mesmo tempo, Justiça! Ele ama a retidão, e deseja que aqueles que se chamam por seu nome, andem de modo digno de alguém que leva este nome; como um arauto que leva um decreto do Rei, selado com o seu anel real, o qual deve representá-lo diante do povo e transmitir com fidelidade a sua vontade, sem tirar nem pôr. A igreja de nossos dias tem perdido a visão do alvo, tem fixado o seu olhar em outros objetivos, como por exemplo, a ênfase na prosperidade a todo o custo (ou você prospera ou das duas uma: Ou você está em pecado ou Deus não é Deus). Muitos crentes estão vivendo e achando que são miseráveis porque não prosperam, achando que não são verdadeiros cristãos porque nem tudo sai como planejaram lá na sua empresa, ou lá no seu trabalho. Outros procuram ostentar templos monumentais, ou ainda uma roupagem patriarcal, dizendo-se superiores e dignos de honras; líderes famosos começam a se degladiarem para ver quem conquista mais investidores para as suas igrejas-empresas, que são mais instituições com fins lucrativos do que meramente igrejas. As pessoas estão muito ocupadas com o seu próprio umbigo para se preocuparem umas com as outras. Já é coisa rara encontrar igrejas que seguem o exemplo da igreja primitiva, a qual caia na graça de todo o povo, e que recebia mais e mais convertidos que buscavam juntar-se a ela para adorar simplesmente ao Messias ressurreto, e não para buscar o seu sucesso financeiro. As pessoas quase não oram mais, pouco lêem a Bíblia, mas um objetivo continua de pé: querem ter vitória! Cantam, choram, se ajoelham, outras até se descabelam, pulam, rodopiam, mas suas vidas estão vazias da presença de Deus. Pois não se vêem frutos viçosos e permanentes a partir de suas pregações, mas apenas plantas sem raíz, sem vida, exceto algumas raridades. Fomos alcançados por Deus, mas estamos vivendo para nós mesmos, não para Ele. Tudo isso são sintomas de derrota e humilhação; não porque não temos riquezas e sucesso, mas porque os nossos olhos estão fitos nessas metas; sintomas de humilhação porque estamos tão ocupados que não temos tido tempo para evangelizar; sintomas de humilhação porque estamos despercebidos quanto a uma vida de constante oração e leitura e meditação na Palavra de Deus; sintomas de humilhação porque temos sido derrotados muitas vezes pelo pecado, pela carne, pelo mundo, pelo diabo. Mas Deus nos mostra em sua Palavra, não poucas vezes, que é o maior interessado em que sejamos restaurados. O povo de Israel quase foi reduzido a nada, por causa da sua própria desobediência, mas o remanescente que restou, buscou ao Senhor, e o Senhor os ouviu, e os restaurou e os abençoou; e ainda, prometeu que estaria com eles e que os ajudaria. É importante lembrarmos de que a restauração sempre é precedida pelo arrependimento e pela busca do perdão de Deus, lemos isso na história de Israel.


Israel tinha o privilégio de ser o povo escolhido por Deus para ser santo e testemunhar do Deus único, vivo e Senhor Todo-Poderoso diante das Nações pagãs, porém, em muitos momentos da sua história podemos perceber Israel indo por outro caminho, indo após ídolos, abandonando o Senhor e afastando-se da comunhão com Ele. Observamos também o profundo amor e a fidelidade de Deus para consigo mesmo e para com a Aliança que havia firmado com Abraão, Isaque e Jacó. Especialmente no livro de Isaías, onde este é levantado como Profeta em meio a um período crítico, quando aquele povo estava totalmente corrompido mas insistia em continuar se apresentando diante do Senhor como se nada estivesse acontecendo.
Deus mostra ao seu povo que ele estava pecando e desagradando de tal forma o seu coração , que chega a compará-lo a Sodoma e Gomorra (Is 1.10)- cidades que foram totalmente extirpadas pelo fogo do juízo de Deus por causa de suas abominações (Gn 18.16-19.29). Sodoma e Gomorra, em sua época, não foram dignos de receber outra chance; e Israel não estava em situação muito diferente; Deus deixou isto bem claro através do Profeta, quando profere uma palavra de juízo para o seu povo, o qual, conhecendo ao Deus vivo, não foi fiel, não foi verdadeiramente Servo do Senhor (Isaías 1.10-17). Por causa de seu próprio pecado, Israel passou por muitas situações de humilhação diante de outras Nações, especialmente neste período, diante do Império babilônico, onde permaneceu em cativeiro durante setenta anos a fio. Porém, Deus permitiu que tais coisas sucedessem ao seu Povo para que ali ele pudesse ser tratado. Dez tribos desapareceram no ano de 722 a.C., e Judá foi quase destruída em 587 a. C., deixando apenas um resto inexpressivo, que mais tarde voltou da Babilônia para reconstruir Jerusalém. O remanescente foi aquele que permaneceu no Senhor, mesmo distante do seu lugar, sofreu, mas perseverou, o braço do Senhor os trouxe de volta a restaurar aquilo que havia ficado para trás. O amor e a misericórdia de Deus proporcionou esta bênção para o seu povo que agora estava em número bem reduzido. Israel que havia servido de "peteca" entre os Impérios rivais do oriente, agora ouvia da boca do Senhor a frase: "Não temas, ó, bichinho, ó, vermezinho de Israel; eu te ajudo!" O povo estava reduzido? Estava! Estava em aparente desvantagem diante daqueles que olhavam para ele? Com certeza! Mas aquele remanescente tinha ao seu lado o Deus Todo- Poderoso, que apesar dos erros do seu Povo, quis dar-lhe novamente a oportunidade de voltar a seu lugar e restaurá-lo para a glória Daquele que já o havia determinado. A Fidelidade de Deus a si mesmo e aos seus decretos fez com que estendesse a Israel uma segunda oportunidade.

Oh, como é maravilhoso sentirmos o amor de Deus sobre as nossas vidas! Como nós, não poucas vezes temos sido infiéis, assim como Israel e entristecido ao nosso Pai amoroso! Muitas vezes estamos vivendo em uma situação de humilhação, digo isto, não em se tratando de finanças, pois não é este o meu foco aqui, mas digo em questão espiritual mesmo. Quantas vezes estamos caídos, fracos, feridos e cheios de ódio e falta de perdão, ou temos buscado glórias humanas ao invés de buscarmos direcionar toda a glória para aquele que é digno (Deus); quantas vezes estamos cheios de orgulho e de soberba, cheios de nossa intransigência e inflexibilidade diante do agir do nosso oleiro, querendo muitas vezes, até indagar o que é isto que Ele está fazendo, quando nada somos, a não ser um caco entre outros cacos. Quando deveríamos nos dobrar e nos quebrantarmos ao seu moldar, muitas vezes estamos murmurando, pecando contra Deus e exaltando ao diabo. Nós mesmos nos colocamos nesta situação, pois Deus diz através do Profeta Jeremias: "De que se queixa o homem vivente? Queixe-se cada um de seus próprios pecados." (Lm 3.39)
Nós somos os culpados da nossa situação de miserabilidade. Às vezes, mesmo sendo cristãos, nos esquecemos de viver a Palavra de Deus e aí a fé esmaece, e as tentações encontram abrigo em nós, o assédio do pecado já não precisa ser tão forte, pois estamos mais vulneráveis e assim, cedemos mais facilmente a ele. Por isso, muitos deixam de evangelizar, deixam de testemunhar acerca de Cristo, deixam de perdoar e assim, as igrejas ficam abarrotadas de crentes nominais, doentes e infrutíferos, que não sentem sequer compaixão pelas almas que estão perecendo no mundo. E é isso que alegra o diabo. Jesus disse que as portas do inferno não prevaleceriam contra a sua igreja, é verdade. Mas esse texto muitas vezes não tem sido bem interpretado, Jesus quis dizer: "Quando a minha igreja avançar contra o inferno, as portas dele não prevalecerão." Mas, se permanecermos enfermos não teremos força nem poder para avançar. É necesário que haja em nós um despertamento e avivamento, primeiro pessoal, e a partir deste, o mesmo acontecerá de forma geral, para que possamos agir mediante o que Deus já nos garantiu. Não somos dignos, mas aprouve a Ele nos escolher para ser o Israel de Deus, o Israel espiritual, circuncidados no coração, como disse o Apóstolo Paulo em Fp 3.3. e isto traz sobre nós a grande responsabilidade de testemunharmos dEle diante do mundo.
O Deus Todo-Poderoso é Fiel aos seus decretos, e disse a Abraão que nele seriam benditas todas as Nações, todas as famílias da terra, ele falou através dos seus profetas que iria atrair com amor eterno muitas nações, aqueles que não o conheciam, que nunca ouviram falar dele. Aleluia! Eu e você, gentios (não-judeus) fomos escolhidos pelo Senhor também, Ele quis ter misericórdia de nós, mesmo quando éramos seus inimigos, e mesmo não havendo nada de bom em nós. Ele nos tirou do lamaçal do pecado, nos lavou no sangue do Cordeiro, morto antes da fundação do mundo em nosso lugar, nos selou com o Seu Santo Espírito para a salvação, o que nos garante estarmos com Ele para sempre; bênção esta que nada e nem ninguém pode nos arrancar jamais.
Mesmo quando estamos nos sentindo um resto, um povinho tão pequeno, tão incapaz, tão impotente, Deus nos diz: "Não temas, ó, bichinho de Jacó, eu te ajudo." Ele está comigo. Ele está contigo, meu irmão! Não temas! O Deus que restaura e usa o seu povo e que venceu os midianitas com os trezentos de Gideão, é o mesmo que está conosco. Com Ele somos a maioria. O inferno não é pário para nós. Ele é astuto, é sagaz, é sutil, é atrevido, mas em Cristo somos mais que vencedores! Basta nos fortalecermos em Deus, orarmos e jejuarmos, a vitória é do povo de Deus. Não há demônio que suporte o poder de Deus na minha e na tua vida! Não podemos recuar, precisamos avançar, como Cristo ordenou. O tempo está próximo. O nosso Senhor está às portas, não devemos nos apresentar diante dEle de mãos vazias. Somos poucos e pequenos? Temos à nossa frente e ao nosso lado o Todo- Poderoso! Sozinhos realmente não faremos nada, mas em Deus faremos proezas! Ele nos faz cavalgar sobre as nossas alturas, Nele somos capazes de combater e resistir a todo o mal que se levante contra nós. Como diz esta reflexão, deixemos todo embaraço do pecado e nos acheguemos a Deus, busquemos o seu perdão e restauração, sejamos sarados pelo Senhor; e só então, estaremos novamente aptos para a obra que Ele tem a realizar através de nós. Não há outra forma de o povo cristão marchar em vitória, a não ser de joelhos em humilhação e adoração ao seu Deus e Mestre! Ele, o nosso Redentor continuará falando ao nosso ouvido em suave murmurar: "Não temas, ó, bichinho, ó, vermezinho de Israel, eu te ajudo!"