sexta-feira, 10 de setembro de 2010

O voto do cristão não pode ser um voto alienado

Protesto contra a Lei da Homofobia
Estamos vivendo a efervescência da Campanha Eleitoral através dos meios de comunicação de massa. Cada candidato procurando conquistar quantos eleitores seja possível até o último minuto.
Fique de olho

Em meio a esta busca frenética por votos, há quem diga que os cristãos não fazem ouvir a sua voz diante do assunto "Política", que eles não se posicionam, que eles não opinam, enfim, que estão alienados da realidade política do nosso País.
Há ainda aqueles candidatos que acham muito fácil conseguir votos nas igrejas, com apenas uma "barganha". Infelizmente isto é uma realidade. Muitos líderes não tem analisado o quão maléfica é a sua atitude, quando tenta levar seus membros e congregados a dar o seu voto de maneira alienada, apenas porque eles indicaram e os persuadiram a isto.

Temos número para mudar a história do País

No Brasil há pelo menos 36.480.000 de evangélicos, o que corresponde a 19% da população; conforme projeção da pesquisa do site Olhar Cristão, isto implica dizer que já é hora de despertarmos para a importância da força cristã para eleger ou tirar alguém do favoritismo. Já é hora de deixarmos de ser como a lagartixa, que tudo o que ouve e vê, responde sim com a cabeça, ou ainda precisamos deixar de ser "Maria- vai- com- as- outras". Precisamos nos posicionar de maneira consciente, procurando estar informados acerca do que acontece ao nosso redor, não apenas na área eclesiástica e espiritual, mas precisamos ser ativos socialmente, desenvolvermos um olhar crítico diante da realidade em que vivemos.
Alguns por aí tem afirmado, com razão, que muitos crentes só pensam na glória da eternidade e dizem que o aqui e o agora não importa; que muitos deixam de buscar usufruir do seu direito enquanto cidadãos por estarem muito ocupados com a contemplação espiritual. Porém a Salvação já gera efeitos aqui e agora em nós, e não apenas na eternidade. O Senhor Jesus nos salvou, nos salva e nos salvará. E aquele que realmente experimentou do novo nascimento não vai se conformar de forma alguma com a injustiça social, com a desigualdade, etc. A Igreja ainda está aqui com o propósito de fazer diferença, e não para se acomodar ao pensamento da massa. Nós não somos deste mundo, como Jesus afirmou, mas estamos no mundo, e o Senhor Jesus orou para que o Pai nos livrasse do mal, não para que nos tirasse do mundo. O Senhor Jesus, sendo inquirido acerca dos impostos a Cesar, disse: "Dai a Cesar o que é de Cesar, e a Deus o que é de Deus". Muitos tem confundido este texto por aí. Mas se não fosse do interesse de Jesus nos ensinar que devemos cumprir com responsabilidade nosso dever de cidadãos, ele teria ignorado a necessidade de que fosse pago aquele imposto e ainda no texto de Mateus 17.24-27 lemos sobre outra ocasião onde Jesus fez questão de cumprir com este dever, mesmo quando fora cobrado de forma injusta, pois tentavam apanhá-lo em alguma falha para o acusar e o levar à morte; porém, ainda não havia chegado o momento estabelecido por Deus para que tal coisa acontecesse.

O que é votar com responsabilidade?

Votar com responsabilidade cristã é votar de forma consciente, é analisar as propostas de cada candidato, confrontar estas propostas com o que nos diz a Bíblia. Se a proposta de determinado político ou partido não condiz com os princípios cristãos, não vote; do contrário estaremos comungando com as mesmas ideias.
Não acredito no cristão que dizendo ser crente em Jesus, vota a favor de um político que quer aprovar casamento gay, aborto, Lei da homofobia, etc. Pois todos estes ideais nada tem haver com Deus.
A Bíblia condena a união de pessoas do mesmo sexo: "Homem e mulher os criou" e abençoou a sua união. (Gênesis 1.27b).
A Lei da mordaça acerca da homofobia visa punir todo aquele que demonstrar preconceito contra o homosexual. Mas devemos atentar para o que é que será entendido como preconceito. Deus, através do Apóstolo Paulo, nos mandou pregar a Verdade, a tempo e fora de tempo ( II Tm 4.2), mas esta Lei nos intimidará a não pregarmos a verdade sobre o que a Bíblia chama de PECADO, sob o risco de prisão inafiançável. Uma coisa é agir com preconceito contra alguém, descriminando, perseguindo, matando, como fazem os skinheads a homossexuais, a nordestinos, etc.; e outra coisa é querermos mostrar ao pecador que ele está pecando, afastado da comunhão com Deus, o qual ama o pecador mas aborrece o pecado (Jo 8.1-11) , e que, como pecador, ele precisa correr de volta pra Deus através do sacrifício de Cristo efetuado lá na Cruz por todos aqueles que darão ouvidos ao seu chamado.
O aborto é crime e deve ser visto como tal, a Bíblia é enfática: "Não matarás."(Ex 20.13) Leia mais no site Jesus voltará.
Dentre outras questões que devem ser avaliadas pelo eleitor antes do dia das Eleições, outra questão é a questão da Educação. Vivemos num País onde a juventude tem se tornado cada vez mais alienada do mundo, perdida no desemprego, na ociosidade e nas drogas. Medidas governamentais buscam sanar o problema. ONG's tem ajudado a um bom número de adolescentes e jovens, é verdade. Programas tentam amenizar a fome e o fracasso escolar, mas será que estas medidas são, de fato, a melhor saída? Aos meus olhos parece que quanto mais facilidade de ter dinheiro na mão sem precisar "ralar", mais acomodado o povo fica sem querer "estudar de verdade para ser "alguém" na vida" (como o meu pai dizia a mim e aos meus seis irmãos; que, por sinal, todos são homens e mulheres de bem, graças a Deus). Os alunos tem se tornado assíduos nas escolas muitas vezes com a motivação errada; seus pais, devido à escassez querem apenas garantir o dinheiro no final do mês; mas é claro que há excessões. Estas crianças e adolescentes vão crescendo sem objetivos concretos sobre o seu próprio futuro enquanto cidadãos, sem muitas expectativas. Estas iniciativas do Governo, na minha opinião, são como uma faca de dois gumes, e geram cada vez mais pessoas que passam pelas escolas mas saem delas ainda analfabetas e incapazes de interferir na história da sociedade em que está inserido; o que é muito viável para quem quer estar no poder. E ainda contam com as facilidades que foram criadas para passar o aluno de ano, mesmo que este não esteja pronto para a série seguinte. Devemos rever muitas questões antes de dar o nosso voto a algum candidato.

A importância de votarmos em candidatos cristãos
Alguns cristãos tem dito por aí que preferem votar em candidatos não-crentes, devido ao mal testemunho de alguns cristãos que chegaram a ocupar cargos políticos e nos decepcionaram. Porém, eu reafirmo, que a melhor opção ainda é votar em cristãos, pelo menos há temor a Deus em seus corações, creio que, se verdadeiros cristãos estiverem nos representando no poder, poderemos mudar muita coisa na história de corrupção que está enraizada no País, poderemos ver um novo horizonte a partir desta realidade.
Sabemos do perigo da generalização. As pessoas por aí dizem que todo Pastor é ladrão, o que não é verdade. Há "pastores" e pastores; dizem ainda que todo crente está apenas escondido atrás do nome de crente, mas na verdade não é convertido; também sabemos que isto não é uma regra geral. Há crentes nascidos de novo em Cristo, compromissados com Deus, e há crentes apenas nominais. Da mesma forma, eu acredito que há muitos cristãos que apresentam boas propostas que podem ser levadas em consideração. Isto não quer dizer que devemos dar o nosso voto aleatoriamente a alguém apenas pelo fato de ser cristão; mas que devemos analisar também as suas propostas e considerarmos as que sejam relevantes para o futuro do nosso País.
A Bíblia diz que devemos orar pelas autoridades (I Tm 2.1-3). Com certeza isto é muito importante, mas não apenas orarmos pelos que já estão lá, mas orarmos também antes de colocarmos eles lá no poder, já que vivemos num País democrático, onde podemos participar desta escolha.
Temos muitos candidatos cristãos que tem uma boa proposta de trabalho, que podem sim, ser uma bênção para o Brasil. Claro que, dentre os candidatos que não são evangélicos, também há aqueles que apresentam boas propostas, e que não concordam com certas ideias antibíblicas.
Não desperdicemos este poder que temos, votemos com seriedade.

Não vendamos o nosso voto por aí por qualquer cesta básica ou por quaisquer outras vantagens que possam ser oferecidas por algum Candidato.
O nosso voto pode ser das duas opções uma: Ou uma bênção ou uma maldição para o futuro da nossa Nação. Eu escolho que ele seja uma bênção. E você?
Comente! Deixe aqui a sua opinião, ela é muito importante para nós.

"Feliz a Nação cujo Deus é o Senhor!"

2 comentários:

Anônimo disse...

achei muuito importante este comentário gostaria de receber em meu email, para poder repassar a outras pessoas.www.izatonafe@yahoo.com

Anônimo disse...

nosso voto tem q estar baseado em tudo q crmos, nos nossos principios morais e religiosos, sem deixar q coisas terciarias nos influenciem