sábado, 17 de julho de 2010

Os Temperamentos x O Fruto do Espírito- Romanos 7.15-24

"Miserável homem que sou. Quem me livrará do corpo desta morte?" (v. 24)
Quantas vezes você e eu não ficamos cabisbaixos ao percebermos que, por causa do nosso temperamento, agimos e/ou falamos de maneira que não deveríamos e acabamos ferindo alguém; ou ainda pior, matamos alguém com nossas palavras e/ou atitudes? Acontece que sempre estamos nos desculpandopelo nosso temperamento: "Eu sou assim mesmo, não tem jeito..." Mas nada fazemos para mudarmos de atitude.

Existem quatro temperamentos que compõem a nossa personalidade, porém em porcentagens diferentes, mas sempre haverá aquele que predominará. Podemos ser Melancólicos, Fleumáticos, Sanguíneos e/ou Coléricos.
Fazendo a Análise dos pontos negativos dos temperamentos veremos que o Melancólico pode ter atitudes erradas por causa do seu orgulho ou pode ainda ter acesso de raiva; o Fleumático pode ser indiferente para com as pessoas, chegando até a zombar de alguém e pode ser teimoso. O Colérico pode até ir a lágrimas quando se irrita com alguém, pode ainda ser cruel e vingativo. O Sanguíneo é sempre imprevisível em suas reações, ora mais controlado, ora explosivo como uma panela de pressão, pode também esquecer compromissos e tem tendência a ser comprador compulsivo (sem auto-controle).
Analisando os pontos positivos dos temperamentos também podemos constatar que o Melancólico ama a música e as artes e é dado à reflexão; o Fleumático é alegre e agradável, é eficiente e caprichoso em tudo o que faz; o Colérico é destemido e corajoso, estabelece alvos e luta até os alcançar, por sua vez, o Sanguíneo tem uma conversa contagiante e gera entusiasmo naqueles que o ouvem, participa da alegria e da dor dos outros e ainda gosta de cuidar de doentes. Enfim, uma pessoa pode ter os quatro temperamentos; porém, apenas um ou dois, no máximo, vão prevalecer.
Os aspectos negativos do nosso temperamento constituem justamente o nosso EU, o qual sempre quer estar no controle da situação e agir com o bem quer e entende. E este controle cobrado pela nossa carne pecaminosa é que continuamente luta contra o nosso espírito.
Muitos quando pecam, seja por palavras, atitudes ou pensamentos, costumam pôr a culpa no Diabo apenas, mas se esquecem da inimiga com quem convivem 24 horas por dia: A CARNE. Há uma batalha que travamos todos os dias e somente o Senhor pode nos ajudar a vencê-la. O Apóstolo Paulo, em determinada situação; talvez em um momento de muita angústia, por estar travando uma batalha com o seu temperamento, com a sua carne, clamou: "Miserável homem que sou. Quem me livrará do corpo desta morte?" Porém, lendo todo o texto de Rm 7. 15-29, veremos que, imediatamente Paulo pôde afirmar que, mesmo em meio à sua limitação de ainda habitar num corpo carnal; servia a Deus com o seu entendimento. E o fato de servir a Deus com o entendimento, fazia com que recebesse de Deus, através da Graça, a bênção de poder ser cheio do Espírito Santo e assim, a condição de poder subjugar a carne, a qual só possui inclinação para o pecado. No início do capítulo oito, Paulo continua afirmando: "Nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito."
Travamos também esta mesma luta, e não podemos jamais nos deixar dominar pela nossa própria vontade, pois quando assim procedemos ferimos a nossa comunhão com Deus e com o nosso próximo (irmãos, amigos, familiares, etc.) Quando aceitamos o domínio do lado negativo do nosso temperamento sobre nós não estamos vivenciando o Fruto do Espírito Santo, do qual faz parte o domínio próprio. Pois o Fruto do Espírito, segundo o texto de Gálatas 5. 22 é um único fruto, o qual contém todas estas características (amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fé, mansidão e domínio próprio). Não podemos ser uma árvore que dá um fruto deficiente, incompleto, mas devemos evidenciar o Fruto perfeito para a glória de Deus Pai.
O Senhor nosso Deus tem desejo de usar as nossas vidas de forma maravilhosa, tanto no nosso convívio com as outras pessoas quanto no Seu Serviço, na Sua Obra. Mas para isso, é necessário que busquemos viver uma vida cheia do seu Espírito Santo, participar com Ele do processo de santificação, o qual é nossa responsabilibidade, mas só é possível quando Ele nos enche com o seu Espírito, o que acontece quando o buscamos de coração. (Hb 12.14; Gl 5.16).
Quando eu e você nos enchermos do Espírito Santo e vivermos uma vida de Oração e leitura da Bíblia, vigiando tanto os ataques, tanto do próprio Diabo (o qual é sutil e sagaz) quanto da nossa própria carne; certamente o Senhor fará, dia após dia, algo novo em nossas vidas, e prevalecerá sempre o espírito, e não a carne. E assim estaremos aptos para que os pontos positivos do nosso temperamento, juntamente com todos os dons e talentos que Deus já nos deu e ainda nos dará, estejam à sua disposição, a seu serviço; e assim seremos bênçãos para todos aqueles que nos cercam.

Deixo aqui uma reflexão de Beverly Lahaye, autora do livro "A mulher controlada pelo Espírito", que diz:
"Quem consegue andar em Espírito com suas atitudes mentais e espirituais, poderá andar no Espírito também com as ações; nosso relacionamento com Deus é o segredo do nosso relacionamento com as pessoas."

Nenhum comentário: